Salários dos deputados quase que duplicam com ajudas extra

  • ECO
  • 23 Abril 2018

Um deputado recebe um ordenado base de 3.600 euros, mas arrecada quase outro tanto com subsídios e apoios extra. Só este ano, a Assembleia da República já gastou mais de 1,2 milhões de euros.

Depois da polémica à volta das viagens dos deputados das regiões autónomas, há um dado novo para adensar a polémica. Os deputados da Assembleia da Republica recebem apoios e subsídios por parte do Estado que praticamente duplicam o salário base. Os deputados ganham um ordenado bruto de 3.600 euros e recebem cerca de 2.200 euros de subsídios.

A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias (acesso pago), desta segunda-feira, e dá conta de que só este ano, a Assembleia da República já gastou 1.206.140,86 euros em despesas com deslocações de deputados, ou para casa ou em trabalho político no seu círculo eleitoral. Em 2017, este montante tinha totalizado os 3.221.092,76 euros.

Os subsídios em questão

Entre os apoios que ajudam a engordar o salários dos deputados estão senhas de presença, apoio para trabalhos de proximidade com o eleitorado e ajudas nas deslocações. O apoio para trabalhos de proximidade, que segundo a organização dos trabalhos parlamentares, acontece sempre à segunda-feira, é um valor cedido todos os meses e que ronda os 376,32 euros e tem a particularidade de não necessitar de comprovativo.

A juntar a este, há ainda as senhas de presença para os restantes dias da semana. Assim, os deputados que vivam fora da área metropolitana de Lisboa têm direito, a uma senha de presença diária de 69,19 euros, o que implica que recebem só por marcar presença no plenário ou em trabalho de comissões, mais de 1100 euros.

No total, entre senhas de presença, apoio para deslocações e para trabalho com o eleitorado, um deputado eleito pelo Porto pode chegar a receber 2.200 euros, um eleito por Faro pode atingir os 2.100 euros e um de Bragança 2.700 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários dos deputados quase que duplicam com ajudas extra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião