Mário Centeno: “Portugal virou decisivamente a página da crise”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 26 Abril 2018

A propósito da nota da Moody's sobre a dívida portuguesa, Mário Centeno garantiu esta quinta-feira que o país "virou decisivamente a página da crise".

A propósito da nota que a Moody’s divulgou esta quinta-feira sobre a dívida portuguesa, Mário Centeno afirmou que o país “virou decisivamente a página da crise”, destacando também “a estratégia de crescimento equilibrado e inclusivo”.

Em comunicado, o Ministério das Finanças dá conta da revisão em alta do intervalo de rating para a dívida portuguesa por parte da Moody’s, ainda que não tenha sido o suficiente para a alteração automática da notação que continua em “lixo”.

O documento dá ainda conta da avaliação da DBRS, que subiu a notação da dívida um grau acima do nível de investimento. “O movimento das principais agências de rating mostra um reconhecimento abrangente dos progressos significativos do modelo económico português, baseado na gestão equilibrada das contas públicas e na promoção de um crescimento sustentável”, lê-se ainda.

Acrescentando a isto as decisões da S&P e da Fitch, que colocaram o país no nível de investimento, o documento termina com a certeza expressa pelo ministro. “Portugal virou decisivamente a página da crise. A estratégia bem-sucedida de crescimento equilibrado e inclusivo explica o momentum de rating positivo”, afirmou o ministro das Finanças.

“Banca fraca e dívida elevada” mantêm Portugal no lixo

Na nota a que o Ministério se refere, a Moody’s diz que o rating atribuído a Portugal será melhorado se concluir que os progressos alcançados a nível orçamental e económico são sustentáveis. Por agora, a agência de notação financeira vem dizer que a banca nacional ainda “fraca” e a dívida elevada do país continuam a limitar a subida do rating atribuído à República

Apesar de reconhecer que houve progressos na redução da dívida pública para os 125,7% do PIB no ano passado, “a dívida vai continuar perto dos 120% do PIB até 2021, uma das mais elevadas entre os países avaliados” pela agência de notação, refere a Moody’s.

Na banca também ainda há muito trabalho pela frente, apesar de todos os esforços já feitos para reduzir o crédito malparado e diminuir o peso que este tem no balanço das instituições financeiras. “O setor bancário continua a exibir níveis de rentabilidade e rácios de capital comparativamente baixos e um nível ainda elevado de NPL [malparado], de tal forma que a banca continua a ser um risco para o rating de Portugal”, refere ainda.

(Notícia atualizada às 20h30 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Centeno: “Portugal virou decisivamente a página da crise”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião