Infarmed em risco de não ir para o Porto

  • ECO
  • 28 Abril 2018

O grupo de trabalho criado para analisar a transferência do Infarmed para o Porto pondera desistir da sua missão. Conselho diretivo da entidade terá colocado "muitos obstáculos".

O grupo de trabalho encarregue de analisar a viabilidade da mudança do Infarmed para o Porto pondera desistir da sua missão. Segundo o Jornal de Notícias (acesso pago), o conselho diretivo do Infarmed terá colocado muitos obstáculos a este estudo sobre a deslocalização da entidade de Lisboa para a cidade Invicta.

O estudo que deveria analisar a relação custo-benefício da transferência do Infarmed da capital para o Porto, identificar riscos e vantagens e analisar o impacto nos funcionários desta entidade está “seriamente comprometido”, avança o jornal, referindo que o conselho diretivo do Infarmed colocou “tantos obstáculos” ao estudo sobre a mudança que o grupo de trabalho, criado em dezembro do ano passado, pondera desistir.

Foi no final do ano passado que o ministro da Saúde, Adalberto Campos, disse estar convicto de que a decisão política” do Governo sobre o Infarmed “será suportada” pela avaliação técnica e científica rigorosa de um grupo de trabalho “muito qualificado”.

Adalberto Campos Fernandes sublinhou então que o grupo de trabalho “é um grupo muito qualificado, com vários ex-presidentes do Infarmed, vários professores universitários, várias pessoas muito ligadas ao setor do medicamento”, e vai ter tempo para fazer o seu trabalho, pois “tem seis meses para que esse estudo seja aprofundado”. “Como nós sempre dissemos, com tempo, com os dados em cima da mesa, com uma avaliação técnica e cientifica rigorosa, a decisão politica será suportada e será assistida com esse documento”, declarou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Infarmed em risco de não ir para o Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião