Ricardo Salgado sobre caso Manuel Pinho: “Nunca corrompi ninguém”

  • ECO e Lusa
  • 30 Abril 2018

O antigo líder do BES, condenado hoje a pagar 3,7 milhões de euros, afirmou que o caso que o relacionada à alegada corrupção de Manuel Pinho "não tem pés nem cabeça".

Ricardo Salgado afirmou esta segunda-feira nunca ter corrompido ninguém, confrontado com alegações do seu envolvimento no chamado “caso Manuel Pinho” ao chegar ao Tribunal da Supervisão, onde foi condenado a pagar uma multa de 3,7 milhões de euros.

“Nunca corrompi ninguém”, afirmou o antigo líder do BES aos jornalistas, em imagens transmitidas pela RTP. “Este caso em particular, para mim não tem pés nem cabeça”.

O Tribunal da Supervisão condenou hoje o ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, a uma coima de 3,7 milhões de euros e o antigo administrador Amílcar Morais Pires ao pagamento de 350.000 euros.

Foi no dia 20 de abril que Ricardo Salgado, o antigo líder do Grupo Espírito Santo (GES), foi formalmente constituído arguido no âmbito do “caso EDP”, por suspeitas de corrupção no âmbito do contratos de receitas garantidas da EDP. Os chamados CMEC resultaram em benefícios de mais de 1,2 mil milhões de euros alegadamente concedidos à elétrica pelo então ministro da Economia do Governo de José Sócrates, Manuel Pinho.

Já no processo que levou esta segunda-feira à multa a Ricardo Salgado estão em causa as contraordenações aplicadas pelo Banco de Portugal (BdP), em agosto de 2016, nomeadamente por comercialização de títulos de dívida da Espírito Santo Internacional junto de clientes do Banco Espírito Santo (BES), tendo Ricardo Salgado sido multado pelo supervisor numa coima de 4 milhões de euros e Amílcar Pires de 600.000 euros, de que ambos recorreram para o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém. O Tribunal decretou ainda a inibição do exercício de cargos em instituições financeiras de oito anos para Ricardo Salgado e de um ano para Amílcar Pires.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ricardo Salgado sobre caso Manuel Pinho: “Nunca corrompi ninguém”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião