Bancários indignados com perdão da dívida ao Sporting pelo BCP e Novo Banco

  • Marta Santos Silva
  • 4 Maio 2018

A federação sindical dos bancários mostrou o seu desagrado por ter havido um perdão da dívida ao Sporting enquanto no BCP os rendimentos estão congelados e no Novo Banco há despedimento coletivo.

A Febase, federação representante dos bancários portugueses, emitiu um comunicado no qual afirma que os bancários estão indignados com o perdão da dívida do Sporting que foi feito pelos bancos Millennium BCP e Novo Banco, uma vez que os trabalhadores enfrentam “a perda sucessiva de condições de trabalho, à recusa de aumentos de retribuições e à apresentação de propostas de atualizações salariais ridículas, por parte de tais Bancos”.

Num comunicado publicado na página oficial deste sindicato, a Febase refere que a dívida perdoada, segundo noticiou esta sexta-feira o Correio da Manhã, no valor de 94,5 milhões de euros, provocaria “uma situação causadora de justificada indignação”, já que as reivindicações de aumentos salariais e melhores condições de trabalho dos bancários têm sido rejeitadas por falta de fundos.

“A título de exemplo, como é sabido, o BCP, ao abrigo do designado “Memorandum de Entendimento”, congelou e diminuiu rendimentos dos seus trabalhadores (…). O Novo Banco, por sua vez, recorreu a um despedimento coletivo (cuja impugnação ainda corre nos tribunais), promoveu extinções de muitas centenas de contratos de trabalho (…)”, continua o comunicado.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, já assinalara num artigo de opinião que tinha havido uma negociação para melhorar a condição financeira do clube, tendo baixado a dívida a estes dois bancos. Para os bancários, este perdão da dívida trata-se mesmo de “gestão danosa”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancários indignados com perdão da dívida ao Sporting pelo BCP e Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião