Bancários indignados com perdão da dívida ao Sporting pelo BCP e Novo Banco

  • Marta Santos Silva
  • 4 Maio 2018

A federação sindical dos bancários mostrou o seu desagrado por ter havido um perdão da dívida ao Sporting enquanto no BCP os rendimentos estão congelados e no Novo Banco há despedimento coletivo.

A Febase, federação representante dos bancários portugueses, emitiu um comunicado no qual afirma que os bancários estão indignados com o perdão da dívida do Sporting que foi feito pelos bancos Millennium BCP e Novo Banco, uma vez que os trabalhadores enfrentam “a perda sucessiva de condições de trabalho, à recusa de aumentos de retribuições e à apresentação de propostas de atualizações salariais ridículas, por parte de tais Bancos”.

Num comunicado publicado na página oficial deste sindicato, a Febase refere que a dívida perdoada, segundo noticiou esta sexta-feira o Correio da Manhã, no valor de 94,5 milhões de euros, provocaria “uma situação causadora de justificada indignação”, já que as reivindicações de aumentos salariais e melhores condições de trabalho dos bancários têm sido rejeitadas por falta de fundos.

“A título de exemplo, como é sabido, o BCP, ao abrigo do designado “Memorandum de Entendimento”, congelou e diminuiu rendimentos dos seus trabalhadores (…). O Novo Banco, por sua vez, recorreu a um despedimento coletivo (cuja impugnação ainda corre nos tribunais), promoveu extinções de muitas centenas de contratos de trabalho (…)”, continua o comunicado.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, já assinalara num artigo de opinião que tinha havido uma negociação para melhorar a condição financeira do clube, tendo baixado a dívida a estes dois bancos. Para os bancários, este perdão da dívida trata-se mesmo de “gestão danosa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancários indignados com perdão da dívida ao Sporting pelo BCP e Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião