Nem as perdas dos CTT nem da Jerónimo Martins deitaram abaixo o PSI-20

  • Marta Santos Silva
  • 4 Maio 2018

A bolsa lisboeta fechou com ganhos ligeiros esta sexta-feira, terminando a semana no verde, apesar de perdas significativas nalgumas das maiores cotadas. A Pharol e a Galp foram forças positivas.

O PSI-20 terminou esta semana a negociar na positiva, mas só por um triz. A bolsa lisboeta, com as cotadas divididas quase por igual entre o verde e o vermelho, acabou por ficar um pouco acima da linha de água no final da sessão, com ganhos ligeiros.

Alguns dos pesos pesados da bolsa de Lisboa pressionaram o índice de referência, que fechou a subir 0,02% para os 5.487,79 pontos.

A cotada que mais perdeu foram os CTT, na mesma semana em que apresentam mais uma leva de resultados fracos referentes ao primeiro trimestre do ano, com perdas graves no campo dos serviços financeiros. Os CTT caíram esta sexta-feira 1,65%, ficando nos 3,1 euros. A Jerónimo Martins também desvalorizou substancialmente nesta sexta-feira: caiu 1,48%, para os 13,9 euros.

Do lado dos ganhos, porém, houve forças positivas que resgataram o índice de referência de terminar a semana com perdas. A Pharol foi uma delas, subindo 2,2% para os 0,27 euros, e a Galp foi outra, distanciando-se da EDP e da REN, que ficaram no verde, e da EDP Renováveis, que acabou com perdas. A Galp subiu 1,35% e chegou aos 16,1 euros.

Na Europa, a tendência também foi positiva. O índice geral Stoxx 600 subiu 0,6%. No entanto, as ações bancárias europeias foram castigadas após a apresentação de resultados fracos por sociedades financeiras como o HSBC, o BNP Paribas e o Société Générale.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nem as perdas dos CTT nem da Jerónimo Martins deitaram abaixo o PSI-20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião