Petróleo em máximos de mais de três anos. Tensão no Irão pressiona preços

As cotações do petróleo valorizam em torno de 2% nos dois lados do Atlântico. Eventuais sanções de Washington ao Irão estão a levar o crude para máximos de novembro de 2014.

As cotações do petróleo estão sob forte pressão altista na última sessão da semana nos dois lados do Atlântico. O preço do barril da matéria-prima valoriza em torno de 2%, em Nova Iorque e em Londres, com o crude norte-americano em máximos de três anos e meio e o brent a superar novamente a fasquia dos 75 dólares. Eventuais sanções por parte dos EUA ao Irão estão a inflacionar as cotações.

O barril do brent transacionado no mercado londrino valoriza 1,75%, para os 74,91 dólares, sendo que já esteve a transacionar acima dos 75 dólares, até ao máximo de 75,08 dólares. Por sua vez, o preço do barril de crude soma 2,05%, para os 69,83 dólares, até um máximo de novembro de 2014.

Crude em máximos de 2014

Fonte: Bloomberg

À medida que se aproxima o dia 12 de maio, data em que os Estados Unidos poderão anunciar potenciais novas sanções ao Irão, segundo explicou Bob Yawger, diretor da Mizuho, citado pela Reuters. “Há as manchetes relacionadas com o Irão e Trump e o 12 de maio que estão a suportar o mercado”, afirmou.

Os investidores mostram assim os seus receios sobre um eventual corte de oferta de petróleo que possa resultar da aplicação de novas sanções sobre o Irão.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão disse na quinta-feira que as exigências dos EUA em mudar o acordo nuclear de 2015 com as potencias mundiais são inaceitáveis, bem como o prazo estabelecido pelo Presidente norte-americano para a Europa “acertar” o acordo.

Donald Trump disse que, a menos que os aliados europeus retifiquem as “terríveis falhas” no acordo internacional até 12 de maio, irá recusar-se a estender o alívio das sanções dos EUA àquela República Islâmica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo em máximos de mais de três anos. Tensão no Irão pressiona preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião