Parlamento aprova recomendações para modernizar o setor do táxi

Depois do veto de Marcelo Rebelo de Sousa à "lei da Uber", o Parlamento aprovou esta sexta-feira três recomendações do CDS-PP, PCP e PS para apoiar o setor do táxi.

Os taxistas têm protestado contra as plataformas como a Uber, queixando-se de que os dois setores não estão nivelados ao nível da concorrência.D.R.

As recomendações do CDS-PP, do PCP e do PS para a modernização do setor do táxi foram aprovadas esta sexta-feira na Assembleia da República (AR). Os documentos incluem algumas medidas de apoio ao setor e recebem luz verde depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter vetado a regulamentação para as plataformas eletrónicas como a Uber, com o argumento de que os taxistas também deveriam ser alvo de algumas medidas de modernização.

Estas propostas surgem também numa altura em que o próprio Governo tem um grupo de trabalho que se debruça sobre o mesmo assunto e que deverá produzir conclusões até ao final do verão. Como indica a recomendação dos socialistas, existem “seis áreas prioritárias” que devem merecer atenção. Entre elas estão as frotas, os tarifários e a faturação, as regras de abandono, o mercado de licenças, o controlo de horas de condução e os próprios sistemas de informação, nomeadamente a promoção da “interligação” do setor “com sistemas inteligentes”.

Das propostas aprovadas esta sexta-feira, a do CDS-PP, com a data de 21 de março, foi a primeira a dar entrada na AR. Os centristas propõem oito pontos a serem considerados nos trabalhos. Defendem, por exemplo, o estabelecimento de “um tarifário duplo para viaturas com mais de quatro lugares”, ou a criação de “tarifas específicas para serviços noturnos e para determinadas datas do ano, previamente estabelecidas”. O CDS entende ainda como necessário a concretização de “um plano sustentável de aquisição de viaturas ‘amigas do ambiente'”.

Outra das medidas da proposta do CDS, assinada pelo deputado Hélder Amaral, é a criação de um “sistema nacional de comparticipação de viagem de táxi no interior”. O objetivo é permitir que “pessoas carenciadas e isoladas” paguem menos 10% pela viagem quando se desloquem para consultas do Sistema Nacional de Saúde.

A proposta do PCP também versa sobre alguns destes pontos. Os comunistas entendem que devem ser eliminados alguns suplementos, como o de bagagem. E exigem uma “redução da bandeirada”, que é o montante inicial pago pelo cliente quando entra no táxi. O PCP quer ainda limitar a dez anos a idade dos táxis, o que significa que, a avançar, a medida irá retirar de circulação os táxis mais antigos.

O partido propõe ainda que todos os táxis venham a ser dotados, de forma “progressiva”, com “meios de pagamento eletrónico”. E recomenda que sejam clarificados os regimes “das viaturas de animação turística”, como os tuk-tuk e os transfers, por exemplo.

Por sua vez, a proposta do PS recomenda ao Governo a apresentação, “em breve trecho”, das conclusões do grupo de trabalho para a modernização do setor, mas também exige “medidas para melhoria das condições de trabalho dos profissionais do setor” e das “condições de prestação de serviço aos consumidores”. Os socialistas abordam ainda a questão ambiental, defendendo que sejam tomadas medidas que garantam uma “maior descarbonização do setor”, nomeadamente através da “promoção da requalificação da frota” com “recurso a veículos de baixas emissões”.

O partido também pretende que seja desenvolvido um trabalho com os municípios para que, “sem prejuízo do respeito pela sua autonomia, se melhorem as condições para o exercício da atividade”. Esse trabalho deve ter em conta uma melhoria “ao nível das praças de táxi”, assim como das “estruturas de apoio”.

(Notícia atualizada às 13h48 com mais informações)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Parlamento aprova recomendações para modernizar o setor do táxi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião