“Temos o mesmo objetivo: liderar nas renováveis”. China Three Gorges explica em vídeo a oferta à EDP

  • Rita Atalaia
  • 12 Maio 2018

A CTG lançou uma OPA à EDP. Em vídeo, o CFO do grupo chinês explica os motivos da operação, garantindo que o objetivo é manter a sede da energética em Lisboa. E as ações no PSI-20.

A China Three Gorges lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital da energética portuguesa. Numa mensagem em vídeo, o CFO do grupo chinês explica a operação, garantindo que a CTG e a EDP caminham na mesma direção. Salienta o facto de ambas as empresas quererem ser líderes nas energias renováveis.

“A CTG e a EDP têm a mesma visão e estratégia: serem líderes globais nas energias renováveis”, afirma Yang Ya, administrador financeiro do grupo, procurando explicar a lógica por detrás da OPA em que oferece 3,26 euros por cada ação da elétrica nacional. Ao mesmo tempo, a China Three Gorges apresentou também uma oferta sobre a EDP Renováveis, propondo pagar 7,33 euros por cada título.

“A CTG é um parceiro de longo prazo da EDP”, nota Yang Ya, explicando que esta “oferta é, por isso, um passo natural depois de seis anos de parceria bem-sucedida”, refere. Foi em 2011 que a CTG entrou no capital da EDP, numa operação que tinha como objetivo servir de porta de entrada para o grupo na Europa.

"A oferta [sobre a EDP] é um passo natural depois de seis anos de parceria bem-sucedida.”

Yang Ya

CFO da China Three Gorges

Com esta OPA sobre 100% do capital, mas que será um sucesso com apenas 50% mais uma ação, a CTG diz que pretende “ajudar a EDP a crescer rapidamente e a reforçar a sua posição no mercado nacional”, mas também nos restantes países de língua portuguesa.

E o CFO garante que mesmo passando a controlar a empresa liderada por António Mexia, a EDP manterá a sua autonomia. A sede ficará em Lisboa, e as ações irão continuar “cotadas na bolsa de Lisboa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Temos o mesmo objetivo: liderar nas renováveis”. China Three Gorges explica em vídeo a oferta à EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião