Chineses lançam OPA à EDP. Dão 3,26 euros por ação

A China Three Gorges lançou uma OPA sobre a EDP, oferendo 3,26 euros pelas ações. Os chineses também avançam com uma oferta sobre a EDP Renováveis, propondo-se a pagar 7,33 euros por ação.

A China Three Gorges, maior acionista da EDP, lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital da elétrica portuguesa. O prospeto preliminar já deu entrada na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), tendo sido definida uma contrapartida de 3,26 euros. A proposta representa um prémio de 5%, sendo que no caso da EDP Renováveis a contrapartida é inferior à atual cotação de mercado.

A contrapartida oferecida é de 3,26 euros por ação, deduzido de qualquer montante (ilíquido) que venha a ser atribuído a cada ação, seja a título de dividendos, de adiantamento sobre lucros de exercício ou de distribuição de reservas, fazendo-se tal dedução a partir do momento em que o direito ao montante em questão tenha sido destacado das Ações e se esse momento ocorrer antes da liquidação financeira da oferta”, diz a empresa em comunicado enviado à CMVM.

Os chineses dizem que a contrapartida representa “um prémio de cerca de 10,8% em relação ao preço médio ponderado das ações […] nos seis meses anteriores à presente data, o qual é de cerca de 2,94 euros por ação”. Ações da EDP terminaram a última sessão antes do anúncio da oferta a ganhar 0,75% para os 3,11 euros, pelo que face a esta cotação o prémio é de apenas 5%.

A oferta é sobre a totalidade do capital, mas a empresa coloca como condição de sucesso da oferta a compra de 50% do capital da maior elétrica nacional, mais uma ação. E é perante a perspetiva de que passe a controlar a EDP que apresentou também uma OPA sobre a EDP Renováveis. Mas se a primeira é voluntária, a apresentada à empresa liderada por Manso Neto já é obrigatória. É que se for bem-sucedida com a EDP, passa a ter mais de um terço do capital da EDP Renováveis — já que a EDP tem 82,6% do capital da empresa de energias verdes.

"A contrapartida representa um prémio de cerca de 10,8% em relação ao preço médio ponderado das ações […] nos seis meses anteriores à presente data, o qual é de cerca de 2,94 euros por ação.”

China Three Gorges

Enquanto no caso da EDP, numa OPA voluntária, a China Three Gorges apresenta um prémio para tentar atrair os investidores, no caso da EDP Renováveis, sendo obrigatória, a proposta acabou por ser feita a um valor inferior ao do mercado.A contrapartida oferecida é de 7,33 euros por ação, deduzido de qualquer montante (ilíquido) que venha a ser atribuído a cada ação, seja a título de dividendos”, nota. As ações da EDP Renováveis encerraram a última sessão a valer 7,845 euros.

OPA quer fazer crescer EDP, manter estratégia da EDP Renováveis

Para justificar a oferta, a China Three Gorges diz que “é intenção da oferente continuar a contribuir para o desenvolvimento sustentável de longo prazo e para o crescimento da EDP, tal como tem vindo a fazer desde o seu investimento inicial em 2012”, na altura da privatização. E quer fazer da elétrica numa empresa ainda maior.

“A oferente pretende que a EDP venha a liderar as operações e a expansão do Grupo China Three Gorges Corporation na Europa, nas Américas e nos países lusófonos“, refere a empresa no anúncio preliminar de OPA. Se no caso da EDP há o objetivo de utilizá-la como veículo para a expansão do grupo chinês, no caso da EDP Renováveis a China Three Gorges garante que não irá fazer alterações à estratégia,

“É intenção da oferente manter a atividade da sociedade visada [a EDP Renováveis] e das suas subsidiárias. A aferente pretende manter o caráter autónomo da sociedade visada, bem como a sua orientação estratégica em relação ao negócio que desenvolve. Não são esperadas quaisquer alterações substanciais relativamente ao negócio e às atividades da sociedade visada“, refere a empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses lançam OPA à EDP. Dão 3,26 euros por ação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião