Consórcio chinês prepara OPA sobre a EDP. Objetivo será ficar com a totalidade da empresa

  • ECO
  • 11 Maio 2018

O Estado chinês detém 28,25% da elétrica portuguesa e prepara uma oferta pública de aquisição (OPA), revela o Expresso. O ECO já confirmou que o anúncio oficial deverá sair ainda esta sexta-feira.

Um consórcio chinês que inclui a China Three Gorges está a preparar o lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP, avança o Expresso esta sexta-feira. O ECO confirmou esta informação, mas ainda não é certo que o anúncio formal ao mercado seja feito ainda esta sexta-feira. Já o Financial Times adianta que a intenção do consórcio chinês é ficar com a totalidade da EDP, o que, a confirmar-se, custará cerca de oito mil milhões de euros. Contactada, a EDP não comenta este assunto.

A informação do semanário vem confirmar uma possibilidade que já é admitida no mercado há algumas semanas. No dia da recondução de António Mexia como presidente executivo, o ECO escreveu sobre a possibilidade de uma OPA lançada pela China Three Gorges: “Um presidente, duas fações, uma OPA”. Na altura, fonte do mercado referia: “Os chineses não gostam de iniciativas que podem ser consideradas hostis, mas percebem que as sucessivas afrontas que sofreram nos últimos meses, e que os levou a São Bento para recordar ao Governo o acordo que assinaram com o Estado português, ainda com Passos Coelho, têm de ter uma solução”. Aí está ela.

Atualmente, o Estado chinês já detém 28,25% da EDP, através da China Three Gorges (que controla 23,27% da elétrica) e da empresa estatal CNIC (que detém os restantes 4,98%). O Expresso refere que o Governo português não deverá opor-se a que a China aumente esta posição de controlo, devendo mesmo apoiar a operação. Já o conselho de administração da EDP, acrescenta a mesma publicação, deverá classificar a OPA como hostil. Ainda assim, contactada pelo ECO, outra fonte de um dos acionistas relevantes – não chinês – estranha esta posição. Não terá havido ainda qualquer reunião da administração, até porque não há qualquer anúncio formal com as respetivas condições. Outra fonte acrescenta que quem estará contra é o próprio António Mexia, e as divergências do CEO com o maior acionista já não são de hoje.

Nos últimos meses, a China Three Gorges já tinha manifestado disponibilidade para reforçar no capital da EDP. Qualquer acionista que ultrapasse os 33,34% do capital de uma empresa é obrigado a lançar uma OPA sobre essa empresa. E a intenção dos chineses será mesmo ficar com a totalidade da elétrica portuguesa. Segundo o Financial Times, a China Three Gorges pretende usar a EDP como uma plataforma para se expandir internacionalmente no setor das energias renováveis.

Entre os acionistas mais disponíveis para mudar de posição, conforme escreveu o ECO no mês passado, poderão estar os espanhóis, da família Masaveu Herrero, e o fundo de Abu Dhabi, que tem também interesses cruzados com a China noutros negócios. Neste caso, estão em causa mais de 11% do capital. Mais difícil será convencer os americanos do Capital Group, que tem 12% da empresa. A Sonatrach, com problemas próprios na Argélia, estará em stand by.

A SIC Notícias avança, entretanto, que uma delegação de investidores e advogados chineses chegou esta tarde à CMVM, para entregar o anúncio preliminar da OPA ao regulador dos mercados.

Notícia atualizada pela última vez às 19h13 com mais informação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consórcio chinês prepara OPA sobre a EDP. Objetivo será ficar com a totalidade da empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião