OPA à EDP: Socialistas acompanham, comunistas rejeitam, CDS pede atenção dos reguladores

  • ECO e Lusa
  • 12 Maio 2018

Os socialistas rejeitam manifestar-se contra ou a favor da operação, depois de o Governo já ter dito que não tem nada a opor.

Os socialistas acompanham com “interesse lógico” a operação mas não se opõem nem a aprovam, os comunistas rejeitam-na e o CDS-PP pede a atenção das entidades de regulação e supervisão. É desta forma que os partidos olham para a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela China Three Gorges sobre a EDP.

Pelo PS, é o deputado Luís Testa quem afirma, em declarações ao Diário de Notícias, que o partido acompanha com um “interesse lógico” esta operação, uma vez que a EDP é “uma empresa estratégica” para Portugal. Ainda assim, “por respeito ao mercado”, rejeita posicionar-se contra ou a favor. “Uma vez vendido o capital, aquilo que esperamos e aguardamos é que se zele para que as regras de mercado funcionem”.

Do lado do Governo, contudo, a posição é mais clara: António Costa diz que o Governo “não tem nada a opor” e remete a aceitação ou não da proposta para os acionistas da EDP, dizendo mesmo que os chineses “têm sido bons investidores em Portugal”

Também o CDS-PP rejeita tomar uma posição, considerando que esta não é uma questão política, mas de mercado. “A única coisa que o poder político pode exigir é que todos os poderes reguladores e de supervisão estejam atentos e evitem que alguma coisa se possa processar à margem da lei“, disse o vice-presidente do partido, Nuno Melo, à margem do Conselho Nacional do CDS, em Évora.

Já o PCP opõe-se à operação. Ao Diário de Notícias, Vasco Cardoso, da Comissão Política do PCP, afirma que “a instabilidade a que a EDP está sujeita, e aquela a que estará sujeita a confirmar-se esta OPA”, não garante os interesses do país. Para os comunistas, “uma empresa estratégica para os interesses do país não pode estar sujeita a questões financeiras nem a países estrangeiros”.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu mesmo a recuperação do controlo público da EDP. “Aquilo que pode e deve ser determinante para o futuro da EDP é a recuperação do controlo público da empresa elétrica nacional, disse.

O Bloco de Esquerda e o PSD ainda não comentaram a operação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPA à EDP: Socialistas acompanham, comunistas rejeitam, CDS pede atenção dos reguladores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião