Portugueses nunca gastaram tanto dinheiro em jogo: 3,5 mil milhões

  • ECO
  • 13 Maio 2018

A Raspadinha continua a ser o jogo preferido dos portugueses, mas são as apostas no Placard que mais têm vindo a aumentar. Jogos de casino, bingo e jogo online também aceleram.

Os portugueses estão a gastar cada vez mais dinheiro em jogos de fortuna ou azar e, no ano passado, atingiu-se um novo recorde: o jogo movimentou 3.519 milhões de euros, valor que representa um aumento de 11% face a 2016 e um novo máximo, de acordo com os cálculos feitos pelo Público (acesso condicionado).

Segundo a mesma publicação, a maior fatia deste montante vem dos jogos sociais explorados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). As apostas em jogos da instituição subiram 9,1%, ultrapassando pela primeira vez a barreira dos três mil milhões de euros e totalizando 3.028 milhões.

A Raspadinha mantém-se como o jogo de preferência dos portugueses, com as apostas a subirem 9,4%, para 1.487 milhões de euros. Segue-se o Euromilhões, que no final de 2016 passou a ficar associado ao M1lhão, com um total de apostas de 851 milhões (mais 5,1%). A maior subida veio do Placard, com mais 30%, para 502 milhões de euros de receitas brutas.

Há ainda que contabilizar as apostas em casinos, bingos e jogo online. De acordo com os dados do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ), os casinos arrecadaram 311,3 milhões de euros no ano passado, um aumento de 5,2% em relação a 2016.

Já as apostas nos bingos subiram em 14%, para 57 milhões, e o jogo online, que começou a ser regulado em Portugal no final de maio de 2016, arrecadou 122,5 milhões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses nunca gastaram tanto dinheiro em jogo: 3,5 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião