CMVM investiga fuga de informação na OPA à EDP

  • ECO
  • 14 Maio 2018

As suspeitas foram levantadas devido ao interregno entre a informação se tornar pública e o anúncio aos mercados. A CMVM diz que é um procedimento habitual.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) vai investigar a fuga de informação sobre a oferta pública de aquisição lançada pelos chineses da China Three Gorges à EDP. O processo é descrito pela CMVM, ao ECO, como um procedimento habitual.

Segundo a notícia da investigação avançada esta segunda-feira pelo Expresso, as suspeitas foram levantadas devido ao hiato entre a informação ser noticiada — no mesmo semanário — e a comunicação aos mercados. O Expresso deu a notícia às 16h31, enquanto o comunicado foi divulgado pela CMVM às 21h15. A CMVM quer agora saber se alguém beneficiou desta fuga de informação.

Contactada pelo ECO, a fonte oficial da CMVM afirma que “no âmbito das suas competências”, irá proceder à análise da operação “para despistar eventuais casos de insider trading como o tem feito em todas as OPA”, não deixando claro se as suspeitas se confirmam ou não.

A China Three Gorges, maior acionista da EDP, lançou na sexta-feira uma OPA sobre a totalidade do capital da elétrica portuguesa, tendo sido definida uma contrapartida de 3,26 euros. A proposta representa um prémio de 5%, sendo que no caso da EDP Renováveis a contrapartida é inferior à atual cotação de mercado. Num só dia a EDP valorizou em bolsa 1,1 mil milhões de euros, levando os seus títulos a ultrapassar o valor da contrapartida. Além disso, os analistas não estão otimistas quanto às possibilidade de sucesso desta operação.

Comentários ({{ total }})

CMVM investiga fuga de informação na OPA à EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião