PIB cresce 0,4%. Economia arranca o ano com o pé no travão

A economia cresceu 0,4% no primeiro trimestre de 2018 em relação aos três meses anteriores e 2,1% face ao período homólogo. Economistas esperavam travagem.

O PIB cresceu 0,4% no primeiro trimestre em relação aos três meses anteriores e 2,1% face ao período homólogo. A estimativa rápida divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostra que o ano começou com uma travagem na atividade económica. É preciso recuar ao terceiro trimestre de 2016 para encontrar uma variação homóloga mais baixa (2%).

No ano passado, a economia portuguesa cresceu 2,7%, o ritmo mais alto desde 2000. Na reta final de 2017, o PIB engordou 0,7% em cadeia e 2,4% face ao mesmo período do ano anterior.

As principais instituições preveem que este ano a economia cresça menos do que em 2017. Governo, Banco de Portugal e Comissão Europeia apontam para 2,3%, menos quatro décimas do que no ano passado. Os economistas já esperavam, por isso, que o primeiro trimestre fosse de abrandamento.

No entanto, os números saíram abaixo das projeções feitas pelos departamentos de estudos económicos. O Montepio e o BPI apontava para uma variação em cadeia entre 0,5% e 0,7% e a Comissão Europeia também calculava em 0,5% o crescimento face aos três meses anteriores. A poll de economistas da Reuters apontava para 0,5%. O número que o INE divulgou hoje foi de 0,4%. No entanto, este número ainda não tem incorporada toda a informação estatística.

Exportações penalizam economia até março

“Comparativamente com o quarto trimestre de 2017, o PIB aumentou 0,4% em termos reais (0,7% no trimestre anterior). No segundo trimestre do ano passado, a taxa de variação em cadeia foi mais baixa, de 0,3%, mas no conjunto do ano a subida do PIB foi, em média, de 0,6%.

O contributo da procura externa líquida para a variação em cadeia do PIB foi negativo, após ter sido positivo no trimestre anterior, observando-se um aumento das importações de bens e serviços superior ao das exportações de bens e serviços. O contributo positivo da procura interna aumentou no primeiro trimestre, em resultado da aceleração da Formação Bruta de Capital Fixo e do consumo privado“, avança o INE.

Ou seja, no primeiro trimestre do ano, a componente externa penalizou a economia, ao contrário da componente interna que ajudou o PIB a manter-se positivo.

Quando comparado com o primeiro trimestre de 2017, os dados preliminares do INE apontam também para um abrandamento.

O INE adianta que “o PIB, em termos homólogos, aumentou 2,1% em volume no primeiro trimestre de 2018 (2,4% no trimestre anterior)”, sendo necessário recuar ao terceiro trimestre de 2016 para encontrar um valor mais baixo do que o observado agora. Na altura, o PIB subiu 2% em termos homólogos.

A procura externa líquida registou um contributo mais negativo, em resultado da desaceleração mais acentuada das exportações de bens e serviços que a registada nas importações de bens e serviços“, explica o instituto estatístico.

O contributo positivo da procura interna estabilizou no primeiro trimestre, verificando-se uma ligeira desaceleração do consumo privado, enquanto o investimento apresentou um crescimento ligeiramente mais acentuado, determinado pelo comportamento da variação de existências, refletindo o efeito base do contributo negativo verificado no primeiro trimestre de 2017″, acrescenta ainda o INE.

(Notícia atualizada com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PIB cresce 0,4%. Economia arranca o ano com o pé no travão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião