Só um não chega. SoftBank quer criar mais um fundo para investir em tecnologia

Masayoshi Son admite criar um segundo fundo multimilionário para investir em tecnologias emergentes, após ter juntado quase 100 mil milhões de dólares no Vision Fund.

Depois de ter angariado mais de 93 mil milhões de dólares para a criação do Vision Fund, o maior fundo privado de investimento que o setor tecnológico alguma vez viu, o fundador do SoftBank tem planos para criar mais um fundo do mesmo género. O objetivo é apoiar empresas que estejam a desenvolver tecnologias emergentes.

De acordo com a Reuters, a intenção foi revelada pelo próprio magnata japonês, Masayoshi Son, durante uma conferência a Tóquio. A agência refere que o novo fundo poderá contar com alguns dos investidores que já fizeram parte do primeiro, bem como outros investidores institucionais.

“O Vision Fund 2 está certamente a caminho”, afirmou o líder do SoftBank, um conglomerado japonês que começou por criar programas informáticos e, hoje, detém participações de relevo em diversas empresas ligadas à tecnologia, como, por exemplo, a Uber. O novo fundo deverá chegar “num futuro próximo”, mas não se esperam novidades pelo menos durante os próximos seis meses.

O Vision Fund que é atualmente conhecido, e que foi um dos grandes projetos de Masayoshi Son nos últimos meses, garantiu apoios multimilionários de países como a Arábia Saudita ou Abu Dhabi. Também a Apple e a Foxconn participaram nesse esforço coletivo de investimento na indústria das novas tecnologias. “Eu acredito que os nossos parceiros atuais estão extremamente contentes com os nossos progressos”, disse o fundador do SoftBank.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só um não chega. SoftBank quer criar mais um fundo para investir em tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião