South Atlantic arrisca ter de devolver fundos comunitários. Já só tem dez trabalhadores

  • Lusa
  • 15 Maio 2018

A South Atlantic, que comprou as instalações da antiga Sardinha em Peniche, já só tem dez funcionários depois de ter despedido 50. Se não tiver 75 até 2019, pode ter de devolver fundos comunitários.

A conserveira South Atlantic de Peniche, que despediu meia centena de trabalhadores, poderá ter de devolver fundos comunitários em 2019 se não cumprir com os objetivos pelos quais beneficiou do financiamento, esclareceu o Ministério do Mar. “A empresa só correrá risco de devolução dos apoios públicos de que beneficiou na medida em que, nos termos da legislação em vigor, não cumpra ou [não] mantenha os objetivos associados a esse financiamento”, explicou à agência Lusa o Ministério do Mar, que geriu o Programa Operacional para o setor das pescas PROMAR (2007-2013) e gere o Mar 2020 (2017-2020).

A fábrica tem de criar 75 postos de trabalho, atingir uma produção anual de 7420 toneladas de conservas e exportar pelo menos um terço da produção até 2019. Contactada pela agência Lusa, a empresa, de capitais maioritariamente angolanos, não prestou quaisquer esclarecimentos até agora.

Para já, “estando o investimento substancialmente executado e a empresa a laborar, não estão nesta data reunidos fundamentos para reembolso dos apoios”, acrescentou a tutela, que disse estar a acompanhar a situação, para garantir a boa execução dos fundos e dos objetivos.

Em Peniche, distrito de Leiria, a South Atlantic comprou as instalações da antiga Sardinha e investiu 9,5 milhões de euros, dos quais 4,7 milhões foram fundos comunitários, na reconstrução e equipamento da fábrica de conversas, que entrou em funcionamento em maio de 2016.

O Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB) denunciou que, dos 60 trabalhadores que contratou quando abriu, a conserveira despediu 50 e está reduzida a 10, não estando a laborar nestas condições. Numa carta enviada ao Ministério da Economia a solicitar uma reunião, o SINTAB pediu a intervenção do Governo na South Atlantic, por acompanhar “com preocupação a débil situação”.

“Os trabalhadores que lá se mantêm estão sem trabalho, pelo que a empresa fica praticamente inativa, e não há motivo para uma empresa nova estar sem laborar e sem produzir”, disse à agência Lusa Mariana Rocha, dirigente do SINTAB, para quem a empresa “poderá ter de devolver o dinheiro do financiamento”. O SINTAB teme que a fábrica seja vendida a outros acionistas.

O Ministério do Mar esclareceu que “é legalmente possível a transferência da titularidade de projetos cofinanciados”, mas qualquer negócio terá de ser autorizado pela Autoridade de Gestão do Mar 2020 e até agora “não existe qualquer solicitação” nesse sentido. À gestão do Mar 2020 falta à empresa justificar 1,1 dos 9,5 milhões de euros investidos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

South Atlantic arrisca ter de devolver fundos comunitários. Já só tem dez trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião