Nos “repudia” violência, deixa avisos, mas mantém contratos publicitários

A Nos, patrocinadora do Sporting, "repudia" os atos de violência em Alcochete, deixa avisos para qualquer repetição de casos como este, mas mantém os contratos publicitários em vigor.

A NOS, a Altice Portugal e a Vodafone Portugal estão unidas na reprovação dos atos de violência sofridos, esta terça-feira, pelos jogadores do Sporting. Apesar de avisar que situações “pouco dignificantes como esta” não se devem repetir, a operadora liderada por Miguel Almeida nega que esteja a ser estudada a rescisão dos contratos de publicidade com o clube verde e branco.

“A NOS está chocada e repudia os incidentes ocorridos ontem, os quais vêm ensombrar o desporto português e o futebol em particular”, salientou em comunicado a empresa, que ocupa atualmente o papel de patrocinador premium do Sporting.

A rescisão do contrato da Nos com o Sporting Clube de Portugal tinha sido noticiada, esta tarde, pelo jornal O Jogo. De acordo com o órgão de comunicação social, a NOS estaria a estudar o fim do contrato milionário com o clube em causa, na sequência deste episódio de violência e no âmbito da operação Cash Ball.

Além da NOS, também a Altice distanciou-se dos acontecimentos desta terça-feira. “A Altice Portugal não pode deixar de repudiar o episódio de violência associado ao futebol português ocorrido ontem”, sublinhou, por sua vez, a multinacional detentora da Meo.

No papel de patrocinadora de vários clubes portugueses e da própria Seleção nacional — através da MEO — a Altice Portugal afirma que não se pode “alhear dos factos ocorridos”, que considera não representarem “o espírito do desporto”.

O futebol Português não merece este tipo de comportamentos e muito menos ser beliscado por atos que em nada se identificam com a linha estratégica e orientadora do nosso País”, acrescenta a Altice Portugal.

Por outro lado, numa nota enviada ao ECO, a Vodafone Portugal também “repudiou” o sucedido, rejeitando “qualquer manifestação de violência”. Contactadas pelo ECO, a Caixa Geral de Depósitos e a Super Bock (marcas parceiras do clube verde e branco) não quiseram comentar o episódio.

Esta terça-feira, os jogadores e alguns técnicos da equipa principal de futebol do Sporting foram alvo de agressões por parte de um grupo de 50 pessoas mascaradas, na academia do clube, em Alcochete. Mais de duas dezenas de pessoas acabaram por ser detidas.

O Presidente da República já comentou o caso, mostrando-se “vexado”. “Tive o sentimento de alguém que se sente vexado pela imagem projetada por Portugal no mundo”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos “repudia” violência, deixa avisos, mas mantém contratos publicitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião