Triumph novamente à venda. Mas agora com desconto

  • Lusa
  • 16 Maio 2018

Após um primeiro falhanço, as instalações e os equipamentos da antiga fábrica da Triumph vão novamente a leilão, mas com um preço mais baixo. Licitações começam nos 4,9 milhões: um desconto de 14%.

As instalações e os equipamentos da antiga fábrica de roupa interior Triumph, que está insolvente, vão estar novamente à venda, com um preço mínimo de 4,9 milhões de euros, informou esta quarta-feira a entidade gestora do processo.

A empresa alemã Triumph possuía uma fábrica em Sacavém, concelho de Loures, que foi adquirida em setembro de 2016 pela empresa Têxtil Gramax Internacional (TGI), uma sociedade portuguesa de capital suíço.

Contudo, em 24 de janeiro deste ano a fábrica de Loures, que produzia roupa interior, foi encerrada e a TGI decretada insolvente, situação que levou ao despedimento coletivo de quase 500 trabalhadores, maioritariamente mulheres.

No dia 3 de maio realizou-se um primeiro leilão, com um preço base de 5,7 milhões para tentar vender estes ativos, mas não apareceu nenhum comprador interessado, tendo sido arrematadas apenas algumas viaturas.

Fracassada a primeira tentativa de venda, a massa insolvente da TGI vai levar a cabo um segundo procedimento para tentar vender a unidade fabril e o recheio, podendo os interessados enviar propostas, por carta fechada, até ao dia 7 de junho, sendo as ofertas divulgadas publicamente no dia 14 desse mês, segundo refere o catálogo da leiloeira LC Premium.

O valor mínimo estabelecido para a aquisição destes bens é de 4,9 milhões de euros (85% do valor base).

Caso exista mais do que uma oferta de igual valor para os bens em venda, poderá proceder-se a uma licitação entre os proponentes”, refere a nota da leiloeira, ressalvando que “não há impedimento à apresentação de propostas de valor inferior ao valor base de venda”.

Contactada pela Lusa, fonte da LC Premium manifestou-se confiante no aparecimento de interessados na aquisição destes bens, referindo que “tem havido um trabalho intenso de divulgação deste catálogo junto de investidores nacionais e internacionais”.

No mesmo sentido, Mónica Antunes, do sindicato dos têxteis do Sul e antiga trabalhadora da Triumph, disse esperar que “surjam propostas favoráveis aos trabalhadores”.

No primeiro leilão ainda surgiu uma proposta de 1,5 milhões de euros pela totalidade dos bens (fábrica, equipamentos e frota), que os antigos trabalhadores consideraram “um insulto”.

O processo de venda da Triumph à TGI, que decorreu durante um ano, chegou a ser muito contestado pelos trabalhadores e pela Câmara Municipal de Loures, que temiam que a fábrica encerrasse definitivamente.

Depois de concluída a venda, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, deslocou-se em janeiro de 2017 à fábrica e congratulou-se por esta continuar a laborar em Portugal e manter os postos de trabalho.

No entanto, em novembro desse ano, a administração da empresa comunicou aos trabalhadores que iria ocorrer um processo de reestruturação, que previa o despedimento de 150 pessoas.

Em 5 de janeiro deste ano, depois de tomarem conhecimento de que a administração tinha dado início a um processo de insolvência, as trabalhadoras iniciaram uma vigília de 20 dias à porta da fábrica, tendo durante esse período vários deputados, autarcas e sindicalistas se deslocado ali para levar mantimentos e demonstrar a sua solidariedade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Triumph novamente à venda. Mas agora com desconto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião