Governo fez alteração à lei que facilita OPA chinesa à EDP

  • ECO
  • 18 Maio 2018

O Executivo alterou o Código dos Valores Mobiliários num artigo relacionado com a imputação conjunta de direitos de voto de acionistas de empresas que têm relações entre si.

A mudança que o Executivo fez ao Código dos Valores Mobiliários (CVM) no verão passado vai facilitar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da China Three Gorges (CTG) sobre a EDP. Em causa está uma alteração legislativa introduzida num decreto-lei onde se aprovaram medidas de financiamento e de capitalização das empresas no âmbito do Programa Capitalizar.

Segundo o Público (acesso condicionado), com base num diploma com as medidas propostas pela Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresas (em cuja comissão executiva estavam, além de Pedro Siza Vieira, Esmeralda Dourado, João Nuno Mendes e José António Barros), o Governo alterou o CVM num artigo relacionado com a imputação conjunta de direitos de voto de acionistas de empresas que têm relações entre si.

Com esta mudança, a CTG acabou por ser beneficiada. É que sem esta modificação, os chineses, que têm 23,27%, e a CNIC, que tem 4,98%, teriam os seus direitos de voto contabilizados em conjunto e limitados a 25% devido à cláusula estatutária da EDP que impede um acionista de votar com mais de 25% do capital.

Por outro lado, se viessem a ultrapassar 33% do capital da EDP, os dois acionistas detidos pelo Estado chinês teriam de lançar uma OPA. Mas, com esta mudança, já não têm de o fazer.

Esta alteração à legislação teve a primeira consequência prática na terça-feira à noite, com a CTG Europe — a sociedade através da qual a CTG vai lançar a OPA — a ter de fazer uma alteração ao anúncio preliminar da oferta onde deixou claro que, “de acordo com o entendimento da CMVM”, não lhe são imputáveis os votos da CNIC.

No futuro, poderá ainda haver outros efeitos, nomeadamente, quando chegar a altura de votar em assembleia-geral da EDP a desblindagem de estatutos, que é uma condição de sucesso da OPA.

A alteração legislativa feita no âmbito do Programa Capitalizar, que tinha como um dos responsáveis o atual ministro-adjunto Pedro Siza Vieira, terá causado mal-estar no Ministério das Finanças e na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Recorde-se que num pedido enviado a António Costa, Siza Vieira pediu escusa “de interferir em matérias relacionadas com o setor elétrico e referiu que desde logo havia cessado qualquer intervenção nessas matérias”. É que a CTG é juridicamente assessorada pela sociedade de advogados Linklaters, da qual era sócio antes de entrar no Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo fez alteração à lei que facilita OPA chinesa à EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião