Já há acordo entre Movimento 5 Estrelas e Liga para governar Itália. Mercados reagem mal

O Movimento 5 Estrelas e a Liga já chegaram a acordo para formar Governo em Itália, não tendo, no entanto, ainda decidido quem tomará o lugar de primeiro-ministro.

O impasse governativo em Itália está mais perto do fim. O Movimento 5 Estrelas e a Liga já chegaram a acordo para formar Executivo, não tendo, no entanto, ainda decidido quem tomará o lugar de primeiro-ministro. Os pontos mais polémicos do acordo, do ponto de vista económico, caíram.

Foi Luigi Di Maio, líder do anti-sistema Movimento 5 Estrelas, que anunciou o acordo no seu blog. Na mensagem citada pelo Financial Times, o político pede aos membros do seu partido que votem a favor do acordo conseguido com a Liga. “Esta coligação une duas forças políticas que são e permanecem alternativas, para respeitar e concretizar o que foi prometido aos cidadãos”, escreve Di Maio.

Na última semana, Di Maio e Matteo Salvini — líder do partido de extrema-direita com o qual o 5 Estrelas se acaba de coligar — deram o início às negociações para esta aliança, na sequência de um longo impasse governativo vivido no Parlamento.

No acordo anunciado esta sexta-feira, não há qualquer referência ao perdão da dívida de 250 mil milhões de euros — que as forças políticas tinham garantido estar a estudar, o que fez disparar os juros a dez anos da dívida italiana e afundou a praça bolsista desse país — nem qualquer menção a um referendo para a saída da Itália da União Europeia. Os partidos comprometem-se, por outro lado, a cumprir o Tratado de Maastricht e a experimentar o Rendimento Básico Incondicional, fixando a o subsídio em causa nos 780 euros por pessoa (valor que será parcialmente financiado pela União Europeia).

A nova coligação quer ainda relançar a transportadora aérea nacional (a Alitalia), reforçar o seu contributo para a política de imigração comunitária e tornar a taxa única atualmente aplicada às empresas num imposto com dois escalões e com deduções fiscais.

Perante este acordo entre Di Maio e Salvini, os mercados tremem. Com a liderança do Executivo nas mãos destes dois partidos, os juros da dívida italiana a renovaram máximos, com a taxa a dez anos a chegar aos 2,2%. Esta escalada dos juros está a castigar os títulos da banca no mercado acionista, levando a praça de Milão a inverter dos ganhos na abertura. Cai 1,1% para mínimos de um mês.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há acordo entre Movimento 5 Estrelas e Liga para governar Itália. Mercados reagem mal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião