Paula Amorim quer comprar a Comporta, e há mais dois interessados

  • ECO
  • 19 Maio 2018

A Herdade da Comporta está à venda desde que os donos entraram em insolvência com o colapso do BES, mas agora a venda é mais urgente, arriscando-se a falência do empreendimento.

Paula Amorim, com o consórcio que criou com o grupo imobiliário Vanguard Properties, tenciona comprar a Herdade da Comporta, escreve este sábado o Expresso (acesso condicionado). O diretor da Vanguard, José Cardoso Botelho, diz ao Expresso que estão quase prontos a concluir a compra, logo que a venda seja decidida, embora ainda não se saiba quando isso deverá acontecer.

A Herdade da Comporta ficou no mercado quando o Grupo Espírito Santo colapsou, levando os donos a entrar em insolvência. Já houve vários interessados nos ativos imobiliários deste Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado, mas nesta altura, a Herdade da Comporta precisa de vender ou irá à falência.

“Há de facto um consórcio sólido formado pelo maior grupo económico português, que tem como acionista Paula Amorim”, confirmou ao jornal o porta-voz do milionário francês Claude Berda, que fundou a Vanguard Properties. Ainda não foi revelado, porém, o valor que está em causa para adquirir os 1.360 hectares que estarão em causa.

O empresário Pedro Almeida fez uma oferta que não foi concluída porque o Ministério Público não levantou o arresto da Herdade da Comporta: à época a avaliação era de 420 milhões de euros.

Mas há mais interessados na compra da Comporta. A holding luxemburguesa Oakvest é uma delas, e o aristocrata francês Louis-Albert de Broglie é outro, de acordo com o Expresso e a Visão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paula Amorim quer comprar a Comporta, e há mais dois interessados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião