PSD leva preço dos combustíveis ao Parlamento e critica Governo pelo aumento de ISP

  • Lusa
  • 21 Maio 2018

Os social-democratas criticam o Governo pela escolha de "agravar os preços" com o aumento do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP).

O PSD vai levar ao parlamento, na quinta-feira, as políticas fiscais e de preços para os combustíveis, criticando o Governo pela escolha de “agravar os preços” com o aumento do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP).

Em declarações à agência Lusa, o deputado e vice-presidente da bancada do PSD, António Leitão Amaro, explicou que tema do agendamento potestativo (direito de agendamento de um debate no plenário) de quinta-feira se justifica porque “os preços do gasóleo e da gasolina em Portugal estão a atingir níveis históricos, extraordinariamente elevados“.

Com certeza que há um efeito do aumento do preço petróleo do mercado mundial, mas há, houve e mantém-se uma opção, que é também uma promessa violada do Governo, que aumentou, nesta legislatura significativamente o ISP“, criticou, considerando que foram “três sucessivos agravamentos” do imposto que tem significado “uma fatura muito grande para os consumidores”.

Na opinião de Leitão Amaro, esta é “uma forma diferente de austeridade que é imposta aos portugueses“. O deputado do PSD sublinhou que “houve uma escolha do Governo de agravar o preço dos combustíveis, na medida em que agravou o ISP”. “Esta situação torna-se ainda mais gritante quando o preço global, com o imposto incluído, atinge os valores tão elevados como atinge hoje, colocando Portugal no grupo de países com preços finais dos mais elevados do mundo”, criticou.

O vice-presidente da bancada do PSD lembrou que “quando o governo em 2016 aumentou o ISP tinha feito uma vaga promessa de que esse aumento seria neutral e de que haveria uma correção caso os preços subissem”, condenando que “essa promessa foi e tem sido quebrada”. “Justifica-se o debate porque preços tão elevados de combustíveis custam muito a pagar pelos portugueses, famílias e empresas, e retiram valor significativo ao rendimento disponível e isto acontece também porque o Governo decidiu aumentar o imposto sobre os combustíveis”, enfatizou.

Para Leitão Amaro, “a situação está a atingir um ponto tal que o parlamento não poderia ficar à margem desta discussão, particularmente quando houve uma decisão da maioria das esquerdas, proposta pelo Governo, de agravar o imposto sobre os combustíveis”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD leva preço dos combustíveis ao Parlamento e critica Governo pelo aumento de ISP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião