Universidade de Lisboa põe Palácio Centeno à venda. Preço base é de 6,5 milhões de euros

O Palácio Centeno está à venda. A alienação deste imóvel da Universidade de Lisboa, que já foi publicada em Diário da República, deverá render, no mínimo, 6,5 milhões de euros.

Há um palácio à venda. É o Palácio Centeno, ou Palácio das Açafatas, detido pela Universidade de Lisboa, que agora se prepara para alienar o imóvel construído nos finais do século XVII. O procedimento de venda foi publicado em Diário da República, tendo os interessados até ao final de junho para apresentarem propostas com um valor mínimo de 6,5 milhões de euros.

“A Universidade de Lisboa tem a decorrer procedimento para alienação do Imóvel denominado Palácio Centeno, sito na Alameda de Santo António dos Campos, ao Campo de Santana, em Lisboa, freguesia de Arroios”, refere o anúncio no Diário da República, remetendo mais informações para o site da Universidade de Lisboa.

A reitoria apresenta o “denominado Palácio Centeno” como um imóvel “de elevado valor patrimonial, sito na Alameda de Santo António dos Capuchos, ao Campo de Santana, em Lisboa, composto por um edifício de três pisos, com área de terreno de 1.250 metros quadrados”.

No procedimento para a alienação deste palácio construído a mando de D. Catarina de Bragança, está o valor pedido pelo imóvel. “O preço de licitação do prédio é de 6,5 milhões de euros”. “As candidaturas e propostas devem dar entrada até às 12h do dia 29 de junho de 2018”, remata o anúncio de venda deste imóvel.

A Universidade de Lisboa refere, no seu site, que este palácio está “localizado nas imediações do Palácio da Bemposta e destinando-se às suas açafatas. No séc. XIX, foi adquirido pela família Centeno, que realizou uma significativa remodelação do edifício, a cargo do arquiteto Nicola Bigaglia.

“Além da sua importância arquitetónica, coexistindo elementos seiscentistas na fachada com a capela oitocentista no interior, o palácio possui um rico património azulejar do séc. XVIII”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidade de Lisboa põe Palácio Centeno à venda. Preço base é de 6,5 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião