Transparência e Integridade critica “desdém e displicência” dos políticos

  • ECO
  • 24 Maio 2018

O presidente da Associação Transparência e Integridade diz que houve ilegalidade no caso do ministro Adjunto Pedro Siza Vieira. E critica o argumento de António Costa de que houve um "lapso".

João Paulo Batalha diz que houve ilegalidade no caso do ministro Adjunto Pedro Siza Vieira. O diretor executivo da Associação Transparência e Integridade afirma à TSF que o argumento do primeiro-ministro de “ninguém está livre de um lapso” é “infeliz e injustificado”.

O Ministério Público pediu ao Tribunal Constitucional para consultar as declarações de rendimentos e de património de Pedro Siza Vieira, para analisar a existência, ou não, de incompatibilidades no exercício das suas funções enquanto governante. A intenção foi comunicada na sequência da notícia avançada pelo ECO de que o ministro abriu uma empresa de imobiliário um dia antes de iniciar funções no Governo.

"Este argumento mostra mais o desdém e a displicência com que muitos responsáveis políticos encaram as leis de incompatibilidade e as leis de prevenção da corrupção do que mostra qualquer espécie de argumento razoável que justificasse a ilegalidade que foi, de facto, cometida.”

João Paulo Batalha

Presidente da Associação da Transparência e Integridade

No debate quinzenal, o primeiro-ministro afirmou que terá havido um “lapso” e que Siza Vieira não violou o código de conduta, nem a lei das incompatibilidades. Contudo, para João Paulo Batalha, ao usarem os argumentos de “lapso”, os dirigentes políticos estão a desdenhar as leis de combate à corrupção.

“Este argumento mostra mais o desdém e a displicência com que muitos responsáveis políticos encaram as leis de incompatibilidade e as leis de prevenção da corrupção do que mostra qualquer espécie de argumento razoável que justificasse a ilegalidade que foi, de facto, cometida”, afirma o presidente da Associação Transparência e Integridade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transparência e Integridade critica “desdém e displicência” dos políticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião