Sindicato diz que Segurança Social está a recusar pensões a ex-trabalhadores do Banif

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 25 Maio 2018

A Segurança Social está a recusar pedidos de pensão aos antigos trabalhadores do Banif, acusa o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, falando em desconhecimento do regime.

A Segurança Social está a recusar pedidos de pensão a ex-trabalhadores do Banif, acusou esta sexta-feira o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB). O Sindicato aponta ainda para atrasos nas respostas a pedidos de pensão feitos por bancários, que chegam a sete meses. E, por fim, diz que o novo simulado de pensões está a “induzir os bancários em erro”.

Em comunicado, o SNQTB nota que os “atrasos da Segurança Social nas respostas aos pedidos de pensões estão a aumentar, chegando em alguns casos aos sete meses de espera”. O Governo já tinha admitido atrasos no deferimento das pensões da Segurança Social, justificando-o com a redução no quadro de pessoal. E anunciou entretanto a abertura de um concurso externo.

Mas o SNQTB levanta ainda outras questões: “Além desta situação, os bancários estão a ser também afetados por outros problemas como é o caso dos ex-trabalhadores do Banif, a quem tem sido recusada a atribuição da pensão de reforma, mesmo após a publicação do DL n.º 126-B/2017, 6 de outubro, por desconhecimento da Segurança Social quanto a este novo regime, para além do arrastar da resposta às respetivas reclamações”.

O presidente do Sindicato diz que o ministro do Trabalho já foi alertado para o problema e avança que uma ex-trabalhadora o Banif vai apresentar queixa ao Provedor da Justiça. “Acrescento ainda que os trabalhadores originários do BPN, dado o seu específico regime legal, estão também a sofrer demoras na resposta da Segurança Social”, nota Paulo Marcos.

Quanto ao novo simulador de pensões, o Sindicato diz que os resultados induzem os bancários e ex-bancários em erro, “por manifesta inadequação” àquela realidade. “Este simulador, não tendo em consideração somente o tempo de efetivas contribuições para segurança social, indica uma pensão inflacionada face à que efetivamente será recebida”, afirma o presidente.

No comunicado, o SNQTB lamenta ainda que o subsídio de doença pago aos bancários seja tributado em IRS, ao contrário do que acontece com outros trabalhadores dependentes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato diz que Segurança Social está a recusar pensões a ex-trabalhadores do Banif

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião