“Fechámos um ciclo de resiliência do banco. Vamos para um ciclo de inovação”, promete Miguel Maya, o novo CEO do BCP

  • Rita Atalaia
  • 30 Maio 2018

Miguel Maya, o novo CEO do BCP, garante que o banco vai entrar numa nova fase. Se até agora o foco foi a resiliência, a partir deste momento a instituição vai apostar na inovação.

O BCP entrou num novo ciclo. Se até agora o foco era a resiliência, a partir deste momento o caminho é o da inovação. Esta é a linha de pensamento do novo CEO do BCP, Miguel Maya, aprovado pela assembleia-geral de acionistas com 95,21% dos votos. O gestor, que está no banco há 28 anos, garante, no entanto, que o plano estratégico, que deverá ser apresentado em junho, não será “substancialmente diferente” do que foi que traçado nos últimos anos.

“Fechámos um ciclo de resiliência do banco. E agora vamos para um ciclo de inovação”, afirma o novo CEO do BCP, que, apesar de já ter a aprovação dos acionistas, ainda aguarda pela luz verde do Banco Central Europeu.

“Temos de revitalizar o banco. É isso que temos de fazer. Mas quero discutir com os colegas e depois em conselho de administração. Aí sim apresentaremos ao mercado o plano estratégico”, nota o gestor, que diz abraçar este desafio com “enorme entusiasmo” e “honrando por ter este desafio e por poder contar com um conselho de administração forte”. Este plano, garante Maya, não deverá ser “substancialmente diferentes do que traçámos nos últimos anos”.

Nuno Amado, que esteve seis anos na cadeira de CEO do BCP, já tinha afirmado que Maya deveria manter a mesma linha estratégica. O agora chairman do banco reitera a perspetiva de Maya em relação ao futuro do banco e à necessidade de se entrar num ciclo de inovação e de crescimento. “Vai ser um ciclo de trabalho em conjunto e de desenvolvimento. É importante termos um banco de base privada em Portugal. Lutamos ambos por isso”, diz.

“Acho que todos saímos desta fase e entramos noutra com o dever cumprido”, afirma ainda Amado, acrescentando que “todos vamos entrar no novo ciclo com a vontade de continuar o trabalho”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Fechámos um ciclo de resiliência do banco. Vamos para um ciclo de inovação”, promete Miguel Maya, o novo CEO do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião