Hoje nas notícias: Saúde, Banif e PS

  • ECO
  • 4 Junho 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A semana arranca com uma reunião entre o Governo e os representantes dos camionistas, numa altura em que os profissionais do setor têm marcada ma greve. Em cima da mesa estará um acordo que prevê a redução de 30% das portagens das ex-SCUT, mas só para camiões. No campo da saúde, o Centro Hospitalar Universitário do Algarve vê-se obrigado a pagar quase o dobro do que é previsto por lei em prestações de serviços para conseguir atrair médicos. Já na banca, o Banif entrou oficialmente em processo de liquidação, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter revogado a licença do banco madeirense.

Algarve paga quase o dobro do permitido por lei para garantir médicos

O Centro Hospitalar Universitário do Algarve está a pagar quase o dobro do que é previsto por lei em prestações de serviços para atrair médicos para a região, em especial no verão. A Ordem dos Médicos detalha que ortopedia, anestesiologia, ginecologia/obstetrícia e cirurgia geral são algumas das especialidades mais carenciadas nos hospitais do Algarve, onde os valores pagos aos tarefeiros chegam aos 50 euros por hora, muito acima do que ganha um médico no topo da carreira. Leia a notícia completa no Diário de Notícias.

PS reduz despesa e consegue saldo positivo

O Partido Socialista (PS) conseguiu triplicar os lucros no ano passado, para os 723.463,49 euros, depois de ter cortado a despesa e reduzido o endividamento. O endividamento global do partido reduziu-se em 1,9 milhões de euros, dos quais 700 mil na dívida bancária e 1,2 milhões na dívida aos fornecedores. Já a despesa corrente reduziu-se em 7,1%, para os 7,2 milhões de euros. Isto contra um total de 7,9 milhões de euros de rendimentos da atividade corrente. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Um terço das compras online dá problemas

Mais de metade (57%) dos consumidores da União Europeia já recorre a plataformas eletrónicas para comprar produtos ou serviços, mas a maioria não consegue concluir as compras sem registar problemas. Segundo a Direção-Geral da Justiça e dos Consumidores da União Europeia, 31% das pessoas que fizeram compras online no ano passado chegou ao fim do processo de compra com algum tipo de problema: entregas demoradas, feitas no local errado, pagamentos mal efetuados ou produtos errados ou danificados. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Governo reduz portagens para camiões

No dia em que o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, se reúne com a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), com o objetivo de chegar a um acordo e evitar uma greve dos camionistas, o Jornal de Notícias vem dar conta de uma das ofertas que estão em cima da mesa. O Governo propõe reduzir em 30% as portagens das ex-SCUT, mas apenas para camiões. Esta proposta não convence os profissionais do setor, uma vez deixa de fora veículos ligeiros de mercadorias, que são a maioria. Por outro lado, há muitas empresas cuja fatura com autoestradas é superior ao que pagam em imposto. Para além desta medida, o Governo propõe ainda a subida do limiar do gasóleo profissional dos 30 mil para os 35 mil litros, uma medida que tem sido reivindicada pela classe. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Banif entra em processo de liquidação

O Banco Central Europeu (BCE) revogou ao Banif a autorização para o exercício da atividade bancária, o que implica o início da liquidação do banco madeirense resolvido em 2015. As últimas contas disponíveis do Banif, relativas ao final de 2015, revelam que a instituição tinha um património avaliado em 51 milhões de euros, contra um passivo na ordem dos 815 milhões de euros, o que significa que o ativo cobria, nessa altura, apenas 6% do passivo. A perda da licença será agora comunicada ao tribunal, que formalizará a liquidação judicial, havendo depois lugar à reclamação de créditos. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Saúde, Banif e PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião