Portugal reforça necessidade de tributar compras online

  • Lusa
  • 28 Abril 2018

O Governo português voltou a defender a necessidade de a Europa avançar mais depressa na tributação dos serviços digitais. Mourinho Félix diz que esta "discussão deve ser prioritária".

O Governo português voltou a defender a necessidade de a Europa avançar mais depressa na tributação dos serviços digitais, um dos assuntos em destaque na reunião informal de ministros das Finanças da União Europeia que decorreu em Sófia.

Em declarações aos jornalistas à saída da reunião, o secretário de Estado das Finanças apontou que “a OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] apresentou o trabalho que tem vindo a fazer e Portugal defendeu, como outros Estados-membros, que a Europa deve ter uma posição e deve participar nessa discussão de uma forma pró-ativa, que permita uma solução de longo prazo”.

Segundo o governante, e atendendo a que uma solução global que envolva os vários atores na cena mundial “vai demorar”, é necessário “que ao nível da Europa se avance mais depressa”.

Reiterando que é necessário um acordo que garanta o “equilíbrio entre a inovação digital, que beneficia os cidadãos, e a necessidade de assegurar “o alargamento daquilo que é a base tributária, que permita que essa tributação torne a concorrência entre as empresas digitais e não digitais mais justa e mais saudável”, Ricardo Mourinho Félix admitiu haver nesta fase uma “diferença de opiniões” entre os Estados-membros.

“Penso que este acordo e esta discussão deve ser prioritária e deve evoluir o mais rapidamente possível, mas é preciso chegarmos a um acordo”, defendeu.

Também a Comissão Europeia admitiu hoje que, apesar de um consenso generalizado entre os Estados-membros sobre a necessidade de avançar com um imposto sobre o digital – pois as empresas das plataformas digitais pagam menos de metade que as outras empresas no setor dos serviços -, que Bruxelas considera “fundamental e urgente”, por uma questão de justiça fiscal.

“Como seria de esperar, e eu estaria a mentir se dissesse que tal não é o caso, há muitas visões diferentes em torno da mesa, mas eu diria que há uma base ampla de apoio à proposta da Comissão [apresentada em 21 de março passado] e uma vontade generalizada de discutir. Mas há muito trabalho árduo pela frente, o tema é complexo, politicamente sensível e tecnicamente difícil”, reconheceu o comissário europeu dos Assuntos Económicos.

Pierre Moscovici defendeu todavia que “a complexidade de encontrar soluções não deve desviar as atenções do principio simples de que todos devem pagar a parte equitativa de impostos”, e manifestou confiança num acordo ao nível europeu preferencialmente até final do ano e necessariamente até às próximas eleições europeias (maio de 2019), das quais resultarão a formação de um novo executivo comunitário.

Em março passado, a Comissão Europeia propôs novas regras para garantir a tributação das atividades empresariais digitais na União Europeia, incluindo uma que permitiria aos Estados-membros tributar os lucros gerados no seu território, mesmo quando uma empresa aí não tem presença física.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal reforça necessidade de tributar compras online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião