Páscoa puxa pelas receitas da Ibersol. Restauração fatura 98,5 milhões

A Ibersol registou um aumento de 6,3% das suas vendas de restauração que ascenderam a 98,47 milhões de euros no primeiro trimestre. O lucro da empresa cresceu 70% para 3,5 milhões.

A Ibersol terminou o primeiro trimestre do ano com lucros de 3,5 milhões de euros e 98,47 milhões de euros em vendas na restauração. O lucro da gestora de restaurantes cresceu assim 70%, enquanto as vendas aumentaram mais de 6%, com a Ibersol a beneficiar da recuperação económica da Península Ibérica, do efeito da Páscoa e da abertura de lojas no primeiro trimestre.

“A evolução positiva do mercado da restauração na Península Ibérica, conjugado com os efeitos das aberturas ocorridas ao longo de 2017 contribuíram para a manutenção da tendência de crescimento da atividade durante o período”, especifica a Ibersol em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A empresa de restauração acrescenta que esse resultado acabou por “minimizar o impacto da redução do volume de negócios em Angola, provocada pela acentuada desvalorização cambial e pelo decréscimo no consumo”.

Os lucros da Ibersol ficaram acima do que era estimado pelo Caixa BI. O banco de investimento apontava para que o resultado líquido se tivesse situado nos 2,6 milhões de euros. Já o EBITDA — lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações — ascendeu a 11,1 milhões de euros no primeiro trimestre, 6% acima do período homólogo.

No que respeita às receitas da restauração, a Ibersol dá conta que a antecipação da Páscoa (para março) beneficiou o resultado alcançado, com as vendas a ascenderem a 98,47 milhões de euros.

“Beneficiando de um contexto mais favorável, o segmento de Restaurantes cresceu mais do que o mercado, com especial destaque para o desempenho da Pizza Hut”, diz ainda o comunicado.

No final do trimestre, o número total de unidades geridas pela Ibersol, que incluem as marcas Pizza Hut, Burger King e KFC, era de 646, das quais 504 próprias e 142 franquiadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Páscoa puxa pelas receitas da Ibersol. Restauração fatura 98,5 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião