Exposição à dívida e preços das casas deixam banca vulnerável

  • Rita Atalaia
  • 6 Junho 2018

O Banco de Portugal elogia a redução do malparado. Mas é preciso fazer mais para que evitar um acumular de vulnerabilidades na banca. Além do malparado, há a dívida e os preços das casas.

O Banco de Portugal elogia os esforços dos bancos para reduzirem os níveis de crédito malparado nos balanços. Contudo, este “fardo” ainda pesa na rentabilidade dos bancos e é, por isso, preciso fazer mais. Apesar da evolução positiva, o “fardo” continua a deixar a banca vulnerável, isto além de eventuais choques provocados pela elevada exposição à dívida pública e ao imobiliário.

“O setor bancário registou progressos muito relevantes ao nível da capitalização, da redução dos NPL [malparado] e da eficiência (cost-to-income)”, refere o Banco de Portugal no relatório de estabilidade financeira apresentado esta quarta-feira.

Os esforços de redução dos bancos estão à vista. “Entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017, o stock total de NPL reduziu-se em mais de 9,3 mil milhões de euros (20%), refletindo em larga medida o elevado volume de empréstimos abatidos ao ativo, as vendas de NPL e a saída de empréstimos da categoria de NPL.”

"Tendo em vista reduzir as vulnerabilidades do setor, é fundamental que os bancos continuem a cumprir os planos de redução de ativos não produtivos submetidos às autoridades de supervisão, bem como que completem o ajustamento das suas estruturas de custos.”

Banco de Portugal

Mas o regulador diz que é preciso fazer mais de maneira a que os bancos consigam recuperar a sua rentabilidade e, dessa forma, serem capazes de fazer frente a possíveis choques. “Em setembro de 2017, o peso dos NPL líquidos de imparidades no total do ativo em Portugal é próximo do verificado na Irlanda e ligeiramente superior ao observado em Itália.”

“Tendo em vista a redução das vulnerabilidades do setor, é fundamental que os bancos continuem a cumprir os planos de redução de ativos não produtivos submetidos às autoridades de supervisão, bem como que completem o ajustamento das suas estruturas de custos.”

Entre estas vulnerabilidades, o banco liderado por Carlos Costa destaca “os níveis de rendibilidade, apesar de terem aumentado, permanecem baixos; o stock de NPL [malparado] ainda é significativo e a elevada exposição à dívida pública e ao imobiliário tornam o setor particularmente sensível a evoluções desfavoráveis nos preços destes ativos”. A exposição à divida pública dos bancos residentes “representa cerca de 15% do ativo total, da qual 11,6% do ativo total respeitando a títulos de dívida”, de acordo com o relatório.

Contudo, o Banco de Portugal dá especial destaque à evolução dos preços das casas, outro dos riscos. Para o regulador, esta subida, à boleia do turismo e investimento por parte de não residentes, ainda não é preocupante. Mas já há sinais de sobrevalorização. E caso o boom no turismo perca força, há riscos: uma correção no valor dos imóveis pode acabar por pôr em causa a estabilidade do sistema financeiro nacional.

Nesta lista de riscos para a estabilidade financeira, o Banco de Portugal refere ainda a reavaliação significativa e abrupta dos prémios de risco a nível global, eventual prolongamento do ambiente de taxas de juro muito baixas, concorrência com as fintech e transição do setor bancário para o novo quadro regulamentar e institucional europeu.

Mas também a menor restritividade dos critérios de concessão de crédito a particulares, o que já levou o regulador a recomendar aos bancos a imposição de limites a alguns dos critérios usados na avaliação de solvabilidade dos clientes.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Exposição à dívida e preços das casas deixam banca vulnerável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião