Exposição à dívida e preços das casas deixam banca vulnerável

  • Rita Atalaia
  • 6 Junho 2018

O Banco de Portugal elogia a redução do malparado. Mas é preciso fazer mais para que evitar um acumular de vulnerabilidades na banca. Além do malparado, há a dívida e os preços das casas.

O Banco de Portugal elogia os esforços dos bancos para reduzirem os níveis de crédito malparado nos balanços. Contudo, este “fardo” ainda pesa na rentabilidade dos bancos e é, por isso, preciso fazer mais. Apesar da evolução positiva, o “fardo” continua a deixar a banca vulnerável, isto além de eventuais choques provocados pela elevada exposição à dívida pública e ao imobiliário.

“O setor bancário registou progressos muito relevantes ao nível da capitalização, da redução dos NPL [malparado] e da eficiência (cost-to-income)”, refere o Banco de Portugal no relatório de estabilidade financeira apresentado esta quarta-feira.

Os esforços de redução dos bancos estão à vista. “Entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017, o stock total de NPL reduziu-se em mais de 9,3 mil milhões de euros (20%), refletindo em larga medida o elevado volume de empréstimos abatidos ao ativo, as vendas de NPL e a saída de empréstimos da categoria de NPL.”

"Tendo em vista reduzir as vulnerabilidades do setor, é fundamental que os bancos continuem a cumprir os planos de redução de ativos não produtivos submetidos às autoridades de supervisão, bem como que completem o ajustamento das suas estruturas de custos.”

Banco de Portugal

Mas o regulador diz que é preciso fazer mais de maneira a que os bancos consigam recuperar a sua rentabilidade e, dessa forma, serem capazes de fazer frente a possíveis choques. “Em setembro de 2017, o peso dos NPL líquidos de imparidades no total do ativo em Portugal é próximo do verificado na Irlanda e ligeiramente superior ao observado em Itália.”

“Tendo em vista a redução das vulnerabilidades do setor, é fundamental que os bancos continuem a cumprir os planos de redução de ativos não produtivos submetidos às autoridades de supervisão, bem como que completem o ajustamento das suas estruturas de custos.”

Entre estas vulnerabilidades, o banco liderado por Carlos Costa destaca “os níveis de rendibilidade, apesar de terem aumentado, permanecem baixos; o stock de NPL [malparado] ainda é significativo e a elevada exposição à dívida pública e ao imobiliário tornam o setor particularmente sensível a evoluções desfavoráveis nos preços destes ativos”. A exposição à divida pública dos bancos residentes “representa cerca de 15% do ativo total, da qual 11,6% do ativo total respeitando a títulos de dívida”, de acordo com o relatório.

Contudo, o Banco de Portugal dá especial destaque à evolução dos preços das casas, outro dos riscos. Para o regulador, esta subida, à boleia do turismo e investimento por parte de não residentes, ainda não é preocupante. Mas já há sinais de sobrevalorização. E caso o boom no turismo perca força, há riscos: uma correção no valor dos imóveis pode acabar por pôr em causa a estabilidade do sistema financeiro nacional.

Nesta lista de riscos para a estabilidade financeira, o Banco de Portugal refere ainda a reavaliação significativa e abrupta dos prémios de risco a nível global, eventual prolongamento do ambiente de taxas de juro muito baixas, concorrência com as fintech e transição do setor bancário para o novo quadro regulamentar e institucional europeu.

Mas também a menor restritividade dos critérios de concessão de crédito a particulares, o que já levou o regulador a recomendar aos bancos a imposição de limites a alguns dos critérios usados na avaliação de solvabilidade dos clientes.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exposição à dívida e preços das casas deixam banca vulnerável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião