Banco de Portugal alerta para sobrevalorização das casas. A culpa é do turismo, mas banca pode pagar fatura

  • Rita Atalaia
  • 6 Junho 2018

A subida dos preços das casas, à boleia do turismo, não preocupa por agora o Banco de Portugal, embora haja sinais de sobrevalorização. E se o turismo perder força, há risco para a banca.

Portugal continua a atrair muitos turistas. Cada avião que aterra nos aeroportos portugueses traz dinheiro que ajuda a acelerar a economia, mas também faz subir os preços das casas para máximos atrás de máximos. Uma escalada que ainda não é preocupante, na perspetiva do Banco de Portugal. Contudo, há sinais de sobrevalorização. E caso o boom no turismo perca força, há riscos: uma correção no valor dos imóveis pode acabar por pôr em causa a estabilidade do sistema financeiro nacional.

“Em Portugal, tem-se observado um período continuado de aumento dos preços no mercado imobiliário”, refere o Banco de Portugal no relatório de estabilidade financeira divulgado esta quarta-feira. O regulador dá, assim, conta da evolução dos preços dos imóveis, cujo valor não para de subir, atingindo máximos desde antes do resgate a que o país foi sujeito em 2011.

"Na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização, ainda que limitada, dos preços do mercado imobiliário residencial em Portugal.”

Banco de Portugal

“Na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização, ainda que limitada, dos preços do mercado imobiliário residencial em Portugal”, afirma o Banco de Portugal. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, a tendência mantém-se — a avaliação bancária de imóveis chegou a 1.171 euros por metro quadrado em abril, um máximo do verão de 2010. No caso de persistência desta dinâmica, há “riscos para a estabilidade financeira”, alerta.

O Banco de Portugal explica que “não existe evidência que o crédito bancário esteja a ser o determinante primordial do aumento dos preços no mercado imobiliário em Portugal”. De quem é a culpa? É do turismo.

“O forte crescimento dos preços do imobiliário residencial (…) tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes, podendo a sua inversão alterar esta dinâmica”, alerta o regulador. Não só há cada vez mais estrangeiros a comprarem casa para viver em Portugal, como há uma crescente aposta por parte de investidores no alojamento local.

Tal como a economia, como alertou o Conselho de Finanças Públicas e o FMI, também a estabilidade financeira está refém da manutenção do bom momento do turismo, isto numa altura em que apesar de o país continuar a registar recordes em termos de receita com quem visita o país, o ritmo de crescimento deste setor começa a dar sinais de abrandamento.

"O forte crescimento dos preços do imobiliário residencial (…) tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes, podendo a sua inversão alterar esta dinâmica.”

Banco de Portugal

Uma “quebra de receitas associadas ao turismo e à dinâmica do alojamento local poderá conduzir, numa primeira fase, a dificuldades por parte dos mutuários no cumprimento do serviço da dívida”, não só porque aqueles que dependem diretamente deste negócio perdem fonte de rendimento, como a economia ressentir-se-ia, o que levaria à quebra de rendimento das famílias.

Numa segunda fase, nota Carlos Costa, o abrandamento do turismo levaria “à venda de ativos imobiliários e consequente efeito na correção em baixa dos preços”. E “um decréscimo dos preços do mercado imobiliário iria acarretar a redução do valor do colateral dos empréstimos concedidos pelo setor bancário residente”.

“A relevância de investidores não residentes neste mercado aumenta a sua vulnerabilidade [a da banca] à atuação destes investidores, dado o ajustamento mais célere que os tende a caracterizar. Em particular, uma reversão abrupta e acentuada da procura por parte de investidores internacionais”, alerta Carlos Costa, notando que além da pressão sobre os preços, também “dificultaria a redução dos imóveis e dos NPL [crédito malparado] no balanço”.

Assim, “muito embora os bancos portugueses não estejam a ser os principais dinamizadores deste mercado, um eventual decréscimo acentuado de preços no mercado imobiliário teria efeitos negativos sobre o setor bancário”, nota o regulador que demonstra mais preocupação com a reversão do fenómeno do turismo do que propriamente com a inversão do ciclo de taxas de juro do Banco Central Europeu. “A normalização da política monetária (…) tenderá a ter efeitos bastante mais limitados, já que se espera que ocorra de forma gradual”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal alerta para sobrevalorização das casas. A culpa é do turismo, mas banca pode pagar fatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião