Banco de Portugal alerta para sobrevalorização das casas. A culpa é do turismo, mas banca pode pagar fatura

  • Rita Atalaia
  • 6 Junho 2018

A subida dos preços das casas, à boleia do turismo, não preocupa por agora o Banco de Portugal, embora haja sinais de sobrevalorização. E se o turismo perder força, há risco para a banca.

Portugal continua a atrair muitos turistas. Cada avião que aterra nos aeroportos portugueses traz dinheiro que ajuda a acelerar a economia, mas também faz subir os preços das casas para máximos atrás de máximos. Uma escalada que ainda não é preocupante, na perspetiva do Banco de Portugal. Contudo, há sinais de sobrevalorização. E caso o boom no turismo perca força, há riscos: uma correção no valor dos imóveis pode acabar por pôr em causa a estabilidade do sistema financeiro nacional.

“Em Portugal, tem-se observado um período continuado de aumento dos preços no mercado imobiliário”, refere o Banco de Portugal no relatório de estabilidade financeira divulgado esta quarta-feira. O regulador dá, assim, conta da evolução dos preços dos imóveis, cujo valor não para de subir, atingindo máximos desde antes do resgate a que o país foi sujeito em 2011.

"Na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização, ainda que limitada, dos preços do mercado imobiliário residencial em Portugal.”

Banco de Portugal

“Na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização, ainda que limitada, dos preços do mercado imobiliário residencial em Portugal”, afirma o Banco de Portugal. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, a tendência mantém-se — a avaliação bancária de imóveis chegou a 1.171 euros por metro quadrado em abril, um máximo do verão de 2010. No caso de persistência desta dinâmica, há “riscos para a estabilidade financeira”, alerta.

O Banco de Portugal explica que “não existe evidência que o crédito bancário esteja a ser o determinante primordial do aumento dos preços no mercado imobiliário em Portugal”. De quem é a culpa? É do turismo.

“O forte crescimento dos preços do imobiliário residencial (…) tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes, podendo a sua inversão alterar esta dinâmica”, alerta o regulador. Não só há cada vez mais estrangeiros a comprarem casa para viver em Portugal, como há uma crescente aposta por parte de investidores no alojamento local.

Tal como a economia, como alertou o Conselho de Finanças Públicas e o FMI, também a estabilidade financeira está refém da manutenção do bom momento do turismo, isto numa altura em que apesar de o país continuar a registar recordes em termos de receita com quem visita o país, o ritmo de crescimento deste setor começa a dar sinais de abrandamento.

"O forte crescimento dos preços do imobiliário residencial (…) tem sido impulsionado pelo turismo e pelo investimento direto por não residentes, podendo a sua inversão alterar esta dinâmica.”

Banco de Portugal

Uma “quebra de receitas associadas ao turismo e à dinâmica do alojamento local poderá conduzir, numa primeira fase, a dificuldades por parte dos mutuários no cumprimento do serviço da dívida”, não só porque aqueles que dependem diretamente deste negócio perdem fonte de rendimento, como a economia ressentir-se-ia, o que levaria à quebra de rendimento das famílias.

Numa segunda fase, nota Carlos Costa, o abrandamento do turismo levaria “à venda de ativos imobiliários e consequente efeito na correção em baixa dos preços”. E “um decréscimo dos preços do mercado imobiliário iria acarretar a redução do valor do colateral dos empréstimos concedidos pelo setor bancário residente”.

“A relevância de investidores não residentes neste mercado aumenta a sua vulnerabilidade [a da banca] à atuação destes investidores, dado o ajustamento mais célere que os tende a caracterizar. Em particular, uma reversão abrupta e acentuada da procura por parte de investidores internacionais”, alerta Carlos Costa, notando que além da pressão sobre os preços, também “dificultaria a redução dos imóveis e dos NPL [crédito malparado] no balanço”.

Assim, “muito embora os bancos portugueses não estejam a ser os principais dinamizadores deste mercado, um eventual decréscimo acentuado de preços no mercado imobiliário teria efeitos negativos sobre o setor bancário”, nota o regulador que demonstra mais preocupação com a reversão do fenómeno do turismo do que propriamente com a inversão do ciclo de taxas de juro do Banco Central Europeu. “A normalização da política monetária (…) tenderá a ter efeitos bastante mais limitados, já que se espera que ocorra de forma gradual”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal alerta para sobrevalorização das casas. A culpa é do turismo, mas banca pode pagar fatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião