A manhã num minuto

  • Rita Frade
  • 7 Junho 2018

Não sabe o que se passou durante a manhã? Fizemos um vídeo que reúne as notícias mais relevantes, em apenas um minuto.

Jogadores com salários em falta, fornecedores e banca com pagamentos em risco. Se o Sporting falhar a emissão de dívida, Bruno de Carvalho terá de enfrentar muito mais do que uma crise diretiva. Os chineses da CTG podem não estar dispostos a mexer no preço oferecido na OPA à EDP. Mas querem que a elétrica comece a gerir os seus ativos, o que vai impulsionar o seu crescimento.

Se o empréstimo obrigacionista do Sporting não avançar, Bruno de Carvalho arrisca-se a enfrentar muito mais do que uma crise diretiva. A SAD leonina dificilmente terá como pagar salários dos seus trabalhadores e colaboradores, incluindo dos jogadores. Não haverá dinheiro para fazer face a encargos imediatos como faturas da luz e da água, por exemplo. E banca e Estado também poderão fazer parte da lista de “lesados do Sporting”.

A China Three Gorges (CTG) não está disposta a mexer no preço oferecido na OPA à EDP. Mas quer entregar à empresa liderada por António Mexia os seus ativos no Brasil, Alemanha e sudeste asiático, mas também nos países de língua portuguesa. Isto traduz-se num investimento de 20 mil milhões que vai permitir reforçar o crescimento da elétrica tanto na Europa como na América.

Os supermercados nacionais vão ter unidades de recolha de plástico usado, que vão converter o peso entregue pelo consumidor em senhas de desconto. A medida faz parte do pacote de iniciativas do Governo para reduzir o impacto da poluição causada por estes resíduos, que será apresentado esta quinta-feira.

Em breve, a Uber vai ter mais uma aplicação rival em Lisboa. A empresa é francesa, chama-se Chauffeur Privé e está a preparar o arranque das operações na capital portuguesa, apurou o ECO. O plano de expansão ainda está numa fase inicial, tão inicial que a empresa encontra-se à procura de um diretor-geral. Quer recrutar também um diretor de marketing, um diretor operacional e um especialista de operações.

Voltou a fazer-se história no mundo do empreendedorismo em Portugal, esta semana. A OutSystems cresceu e transformou-se num unicórnio, ao tornar-se na segunda empresa criada por portugueses a atingir a avaliação de mil milhões de dólares. A meta foi alcançada depois de garantir um investimento de 360 milhões da KKR e do Goldman Sachs. Mas há outra empresa bem encaminhada no sentido de se transformar na criatura mítica: a Feedzai. Esta é, pelo menos, a convicção de Miguel Fontes, diretor da Startup Lisboa. “Seria o meu palpite”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A manhã num minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião