Concorrência quer acabar com os preços de referência dos combustíveis. Não têm utilidade para os consumidores

  • Lusa
  • 8 Junho 2018

A Autoridade da Concorrência defende que a divulgação dos preços grossistas apenas é "útil para os operadores de mercado, podendo ser utilizados como pontos focais de colusão".

A Autoridade da Concorrência (AdC) quer que a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) deixe de publicitar os preços de referência dos combustíveis rodoviários, por não ter utilidade para o consumidor final.

“Recomenda-se, à entidade supervisora dos combustíveis líquidos rodoviários [ENMC], que não publicite os preços de referência, já que não incluem a componente de retalho, e consequentemente não contribuem com maior informação nas escolhas aos consumidores”, lê-se na análise ao setor “Fair Play – Com concorrência todos ganhamos”, divulgada na quinta-feira.

Para a AdC, a divulgação dos preços grossistas apenas é “útil para os operadores de mercado, podendo ser utilizados como pontos focais de colusão”.

Os preços disponibilizados diariamente na página eletrónica da ENMC, desde 2014, são decompostos pelas várias componentes da cadeia de valor, excluindo a distribuição para as redes de postos de abastecimento, a margem de comercialização e ainda a segunda fase de liquidação do IVA.

Os preços de referência têm sido muito criticados desde a sua disponibilização, desde logo pela Deco – Associação de Defesa do Consumidor que em 2015 apelou “a uma melhoria do sistema” já que “ao deixarem de fora a logística, a margem do retalho e o IVA não se aproximam do preço de venda ao público”.

"A divulgação dos preços grossistas apenas é útil para os operadores de mercado, podendo ser utilizados como pontos focais de colusão.”

Autoridade da Concorrência

Na altura, o diretor da ENMC para a área petrolífera e atual presidente da direção, Filipe Meirinho, admitiu que “não há dia” em que o organismo não receba queixas de cidadãos relativamente aos preços de referência nos combustíveis, publicados diariamente, uma vez que o valor divulgado se afasta do praticado nos postos de abastecimento.

“O preço de referência em nada se relaciona com o preço de venda final. Há uma linha que separa o preço de referência e o de venda ao público que inclui logística, retalho e IVA”, declarou então o responsável, explicando que os preços de referência correspondem ao preço à saída da refinaria.

Já nessa altura, o então presidente da AdC, António Ferreira Gomes, manifestou no parlamento “muitas reservas” em relação aos preços de referência nos combustíveis, considerando que “podem funcionar ao contrário do seu objetivo”.

Em contrapartida, a Concorrência propõe ao Governo que desenvolva ações de publicitação do portal de preços de combustíveis da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), em http://www.precoscombustiveis.dgeg.pt/, de forma a promover a sua utilização pelos consumidores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concorrência quer acabar com os preços de referência dos combustíveis. Não têm utilidade para os consumidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião