Tribunal de Contas recusou visto a 39 contratos no valor de 118 milhões em 2017

  • Lusa
  • 8 Junho 2018

No ano anterior, tinham sido recusados vistos a 41 processos, com um volume financeiro de 156 milhões de euros.

O Tribunal de Contas (TdC) recusou visto a 39 contratos em 2017 devido a várias ilegalidades detetadas, inviabilizando uma despesa pública de 118 milhões de euros, segundo o relatório de atividades divulgado esta sexta-feira.

No ano anterior, o TdC tinha recusado visto a 41 processos, com um volume financeiro de 156 milhões de euros.

Entre as ilegalidades detetadas pelo TdC que levaram à recusa de visto em 2017 estão a realização de despesa sem autorização ou demonstração da existência de fundos disponíveis, procedimento por ajuste direto “sem que se verificassem os respetivos pressupostos legais” ou “ilegalidade dos modelos de avaliação de propostas, designadamente favorecendo as de preço mais elevado”.

O TdC detetou ainda a contratação de seguros de saúde proibidos por lei, aumento do capital social de empresa local e aquisição de participações sociais ilegais, transformação de serviços municipalizados em empresa local “sem a demonstração da viabilidade económico-financeira e racionalidade económica exigida” bem como violação das regras de atribuição de subsídios à exploração a empresa local.

No ano passado, entraram para apreciação do tribunal 4.304 processos, mais 29,4% do que em 2016, tendo sido controlados 3.538 atos e contratos (processos decididos), referentes a 518 entidades, com um volume financeiro de 4,6 mil milhões de euros. Foram visados 3.499 processos, dos quais 18% foram alvo de recomendações correspondendo a um volume financeiro de 755,8 milhões de euros.

O TdC fez ainda 822 recomendações, “a maioria das quais continuou a respeitar a ilegalidades praticadas no âmbito dos procedimentos de contratação, por deficiente aplicação do Código dos Contratos Públicos”. No total, o tribunal controlou 1.459 entidades no ano passado, envolvendo 228.500 milhões de euros de despesa pública.

Para assegurar o seu funcionamento em 2017, o tribunal gastou 26 milhões de euros, dos quais 78% respeita a dotações do Orçamento do Estado e 22% a dotações dos cofres privativos. No final de 2017 exerciam funções no TdC, o presidente, Vítor Caldeira, e 17 juízes conselheiros e, nos serviços de apoio, 494 efetivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal de Contas recusou visto a 39 contratos no valor de 118 milhões em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião