Sonae usa Cartão do Continente para fidelizar investidores no retalho português

A Sonae está a acelerar o processo de colocação em bolsa do negócio do retalho. Já está a fazer contactos com os investidores, vendendo a liderança nas lojas físicas, mas também no online.

A Sonae está a dar passos largos rumo à dispersão do negócio do retalho em bolsa. Do processo de intenções, passou aos atos, avançando com contactos com potenciais investidores. Procura atraí-los para a empresa que detém o Continente, mas também o Meu Super, e lojas como a Well’s, com a liderança no mercado. Até o Cartão Continente é utilizado para tentar fidelizar investidores, numa altura em que os clientes começam a passar para o online onde… a empresa de Paulo Azevedo também tem uma palavra a dizer.

A ideia de colocar o retalho no mercado de capitais já não é nova, mas só foi tornada pública em março. Recentemente, a empresa veio esclarecer que a unidade a dispersar em bolsa inclui também os ativos imobiliários que albergam as lojas, mas o processo ganha agora novo fôlego com o arranque dos encontros com investidores. Na CMVM, a Sonae deu a conhecer a apresentação que está a fazer aos potenciais interessados. São 26 páginas em que mostra que esta nova cotada é uma “proposta de investimento sólida”.

O que está incluído? Quem comprar ações da nova empresa (os pequenos investidores estão arredados do processo nesta fase inicial) vai passar a ser “dono” de, ao todo, “697 lojas geridas pela Sonae, em que mais de 40% dos ativos imobiliários são detidos pela Sonae MC”. Do Continente são em menor número, ainda que sejam as lojas de maior dimensão. A maioria são do Continente Modelo (um total de 133), enquanto do Meu Super chegam quase a 300.

 

Continente (Modelo e Bom Dia) são as estrelas na alimentação

Estas centenas de lojas, parte delas com o espaço físico incluído, permitem à Sonae uma forte presença geográfica que lhe garante a posição de liderança que este negócio tem em Portugal, com “uma quota de mercado de 22%” no retalho alimentar, ficando à frente do Pingo Doce, da rival Jerónimo Martins. “É um dos mercados com maior crescimento na Europa”, tendo uma “taxa de penetração abaixo da média”, refere.

Às lojas do retalho alimentar juntam-se outros formatos, nomeadamente a Well’s (198) e a Bagga (129), que engrossam de forma expressiva o número de lojas que a empresa vai incluir no negócio que procura fazer com os novos investidores. E com estas vem a mais recente aposta da Sonae, o ZU, específico para os animais.

Da Well’s à Note, até ao ZU

Todas estas lojas recebem milhões de clientes, sendo que muitos deles são fiéis às insígnias da Sonae. E esse é também um ponto forte destacado pela empresa coliderada por Paulo Azevedo na apresentação aos potenciais investidores. Para o demonstrar, recorre ao Cartão Continente, descrito como um programa com uma “inigualável base de clientes, cobrindo cerca de 85% das famílias portuguesas”. Há 3,7 milhões destes cartões.

O Cartão Continente, que “proporciona um conhecimento abrangente da nossa base de clientes”, é utilizado na maioria das compras feitas pelos portugueses nas lojas do grupo. “88% das vendas da Sonae MC são feitas utilizando o cartão de fidelização Continente”, refere a empresa na apresentação para os investidores.

Do físico ao digital…

O negócio do retalho é, atualmente, muito dependente dos espaços físicos, mas o futuro será cada vez mais digital. E a Sonae “vende” aos investidores essa aposta. A “Sonae MC é o líder incontestado em comércio eletrónico para retalho alimentar em Portugal”, refere a empresa, salientando que tem 22% de quota do mercado, mas quando se olha apenas para o digital essa quota dispara. “É o claro líder de mercado em Portugal com cerca de 70% quota de mercado”, destaca.

Conta com mais de 500 mil clientes registados na app do Continente, onde é possível fazer as encomendas, sendo que o próprio Cartão Continente está a começar a ser desmaterializado. A “nova aplicação móvel digital lançada em fevereiro de 2018 que já conta com mais de 300 mil utilizadores”, refere a Sonae.

…sempre a faturar

Seja através das lojas físicas, seja da plataforma online, relevante para os investidores é a capacidade de a Sonae de crescer. E isso é sublinhado pela empresa, com muitos gráficos. O negócio do retalho apresenta um “perfil de crescimento atrativo baseado num sólido desempenho das vendas like for like [numa base comparável] e num forte plano de expansão”. Registou um crescimento de 5,3%.

 

O retalho obteve receitas de 4,1 mil milhões de euros no último exercício anual, bem como um EBITDA de cerca de 303 milhões, refere a Sonae, notando não só que esta é uma empresa com um “perfil financeiro sólido”, como tem uma estratégia de crescimento bem delineada, sendo esta “executada por uma equipa de gestão extremamente experiente”.

Comentários ({{ total }})

Sonae usa Cartão do Continente para fidelizar investidores no retalho português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião