Cidadãos lesados por leilão de rendas ponderam apresentar queixa contra Câmara de Lisboa

  • Lusa
  • 11 Junho 2018

Cidadãos constituíram informalmente a associação "Os lesados de Medina" e ponderam apresentar queixa contra o município.

Os cidadãos que concorreram ao leilão da empresa municipal Lisboa Ocidental SRU e se sentem prejudicados porque ganharam, mas não lhes chegou a ser atribuída a habitação, constituíram uma associação informal e ponderam apresentar queixa contra o município.

“Nós estamos aqui porque queremos uma resposta nos próximos 15 dias por parte da Câmara”, disse aos jornalistas Rita Castaño, uma das pessoas que venceu este leilão, mas ainda não teve direito à habitação que licitou.

Os vencedores deste leilão a quem não foi entregue a casa juntaram-se e entregaram hoje nos Paços do Concelho uma carta endereçada ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS).

Os cidadãos pedem uma “resposta séria, uma resposta válida” porque “não é o que tem acontecido”, uma vez que “cada resposta que dá é uma trapalhice maior” e, caso essa resposta não chegue no prazo indicado, os cidadãos vão “fazer queixa junto da Provedoria [de Justiça]”, salientou Rita Castaño.

A carta, onde reivindicam o seu “direito à habitação” foi entregue em nome “das famílias que serão prejudicadas pela possível anulação do ‘polémico’ leilão de rendas da SRU e que investiram tempo, dinheiro e expectativas no procedimento de arrendamento”.

Para ganharem força nas suas reivindicações, estes cidadãos constituíram informalmente a associação “Os lesados de Medina”.

Em causa está o leilão de rendas para oito habitações organizado pela empresa municipal Lisboa Ocidental SRU no início deste ano e que está envolto em polémicas.

Na quinta-feira, os vereadores aprovaram uma proposta dos vereadores do Urbanismo, Manuel Salgado, e das Finanças, João Paulo Saraiva, no sentido de “reiterar as orientações transmitidas à Lisboa Ocidental SRU” relativamente ao leilão, “diligenciando para que o concurso seja anulado”.

O documento aponta também que deve ser “aplicável a estes e a futuros arrendamentos o regime da renda convencionada, devendo as mesmas orientações ser implementadas por aquela empresa”.

A proposta conta que, a 22 de maio, foram dadas indicações para anular o procedimento, mas ainda assim foi permitido o arrendamento a três cidadãos em “risco real e iminente de perda de habitação própria”, através da “aplicação da renda mínima prevista no procedimento e observando, com as devidas adaptações, as normas do Programa de Rendas Convencionadas”.

No mesmo dia foi ordenada a “abertura de novo procedimento para o arrendamento das frações remanescentes, no âmbito do Programa das Rendas Convencionadas, em articulação com a vereadora da Habitação”, Paula Marques.

Estas medidas foram ordenadas pelo vereador Manuel Salgado, através de despacho.

“Tendo ganho um concurso, não faz sentido isto acontecer”, considerou Rita Castaño, considerando que a decisão foi “injusta para todos os concorrentes deste concurso, que foram à volta de 120”.

Por isso, a munícipe apelou a todos os concorrentes que se juntem à associação, por forma a terem “mais gente e mais peso” para conseguirem, “de uma forma mais formal, chegar mais longe”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cidadãos lesados por leilão de rendas ponderam apresentar queixa contra Câmara de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião