Todos os caminhos vão dar aos Santos Populares? Veja as estradas cortadas e as alternativas

  • ECO
  • 12 Junho 2018

O trânsito vai estar cortado em várias ruas de Lisboa para acomodar as celebrações dos Santos Populares. Os transportes da cidade são uma alternativa para quem não leve o carro.

Os Santos Populares trazem centenas de pessoas para as ruas de Lisboa, e obrigam a algumas adaptações na organização do trânsito. A Câmara de Lisboa informou que “diversas artérias da cidade estarão fortemente condicionadas ao trânsito automóvel nos bairros de Alfama, Bica, Santa Catarina e São Vicente” durante a noite desta terça-feira, véspera de Santo António.

As ruas que vão ter o trânsito cortado estão assinaladas no mapa seguinte:

Para quem ficou assustado com estas medidas, tem sempre alternativas nos transportes públicos. Muitas carreiras foram reforçadas para receber o fluxo extra de passageiros na noite e madrugada de 12 e 13 de junho, respetivamente.

Metro de Lisboa

O metro de Lisboa vai estar a funcionar durante a madrugada para aos festejos da noite de Santo António. Os comboios de seis carruagens vão circular à noite em todas as linhas com intervalos entre os 10 e os 12 minutos. Apesar disto, nem todas as estações vão estar abertas. As que não esperam uma afluência tão grande encerram a partir das 1h00 de dia 13 de junho. Segue a lista das 36 estações da rede Metro de Lisboa que vão estar abertas:

  • Na Linha Azul, que liga Santa Apolónia a Reboleira: Pontinha, Carnide, Colégio Militar, Jardim Zoológico, Praça de Espanha, Restauradores, Terreiro do Paço e Santa Apolónia
  • Na Linha Verde: Telheiras, Alvalade, Areeiro, Anjos, Martim Moniz, Rossio e Cais do Sodré
  • Na Linha Amarela, que liga o Rato a Odivelas: Odivelas, Senhor Roubado, Lumiar, Entre Campos, Campo Pequeno e Rato
  • Na Linha Vermelha: Aeroporto, Moscavide, Oriente e Chelas
  • Estão também abertas as estações que fazem ligação entre duas linhas: São Sebastião (Vermelha e Azul), Marquês de Pombal (Amarela e Azul), Campo Grande (Amarela e Verde), Saldanha (Vermelha e Amarela), Alameda (Vermelha e Verde) e Baixa-Chiado (Verde e Azul).

Carris

A Carris também adaptou os serviços, alguns com reforço e outros com desvios. A circulação dos elétricos termina às 18h30, esta terça-feira. A partir desse horário, durante o mês de junho, as carreiras 714 e 727 circulam nos dois sentidos via Av. D. Carlos I até à Av. 24 de julho, e Largo de Santos para a Calçada Ribeiro dos Santos, enquanto a carreira 774 segue o percurso dos autocarros da carreira 714.

Já a carreira 706, circula no sentido Santa Apolónia via Cais do Sodré, Praça Duque de Terceira, Av. 24 julho, fora do corredor BUS e sem paragens, e Av. D. Carlos I, onde retoma o seu percurso. Já no sentido Cais do Sodré, este autocarro circula via Av. D. Carlos I, Rua da Boavista, Rua S. Paulo, Travessa do Corpo Santo, Corpo Santo, Av. 24 julho e Cais do Sodré.

Para voltar para casa, na Rede da Madrugada estão também mais autocarros garantidos, a partir das 00:30, com partida no Cais do Sodré e no Marquês de Pombal. O reforço vai abranger as carreiras 201 – Cais do Sodré – Linda-a-Velha, 202 – Cais do Sodré – Portas de Benfica/Sete Rios, 206 – Cais do Sodré – Lumiar, 207 – Marquês de Pombal – Lumiar, 208 – Cais do Sodré – Oriente e 210 – Cais do Sodré – Moscavide.

Transportes para fora de Lisboa

Para quem é de fora de Lisboa, a Transtejo vai disponibilizar “duas carreiras extra” nas ligações fluviais do Barreiro e de Cacilhas na madrugada da véspera de feriado. Na ligação Terreiro do Paço – Barreiro, as duas carreiras extras vão realizar-se às 03:00 e às 04:00, mantendo ainda as viagens habituais da madrugada: 1h00, 2h00 e 5h40. Já a ligação Cais do Sodré – Cacilhas vai ter um reforço às 03:00 e às 04:30, viagens que se juntam aos horários habituais da madrugada: 1h00, 1h40 e 5h40.

A CP também vai intensificar as ligações em Lisboa com 14 comboios especiais com destino a Sintra, Cascais e Azambuja. No entanto, os comboios podem ser afetados pela greve dos trabalhadores. Com habitual encerramento à 1h00, as ligações entre Lisboa e Sintra vão ter comboios especiais a partir da estação do Rossio desde a 1h30 até às 5h30 e com frequência de meia em meia hora, correspondente a nove viagens.

Na Linha de Cascais, os comboios vão arrancar da estação do Cais do Sodré às 2h30, 3h30 e 4h30, e relativamente à Azambuja, os comboios vão circular a partir da estação de Santa Apolónia às 1h30 e 3h30.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Todos os caminhos vão dar aos Santos Populares? Veja as estradas cortadas e as alternativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião