Preços subiram 1% em maio, confirma INE

  • Lusa
  • 12 Junho 2018

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor foi de 1% em maio, ou seja, 0,6 pontos percentuais acima do valor de abril, confirmou o Instituto Nacional de Estatística.

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 1% em maio, 0,6 pontos percentuais acima dos 0,4% apurados em abril, confirmou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). “A aceleração do IPC reflete a dissipação do efeito de base associado ao calendário da Páscoa em 2017 e também a evolução recente dos preços dos combustíveis”, explica o INE, recordando que, “com arredondamento a uma casa decimal, esta taxa coincide com o valor da estimativa rápida divulgada a 30 de maio”.

Em maio, a variação homóloga do indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) foi de 0,6%, situando-se 0,4 pontos percentuais acima do registado em abril. A variação mensal do IPC foi, por sua vez, de 0,4% (0,7% em abril e -0,2% em maio de 2017) e a variação média dos últimos 12 meses foi de 1,0% (que compara com os 1,1% registados no mês precedente).

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de 1,4%, taxa superior em 1,1 pontos percentuais à do mês anterior e inferior em 0,5 pontos percentuais à estimativa do Eurostat para a área do euro (em abril, esta diferença foi de 0,9 pontos percentuais).

O IHPC registou uma variação mensal de 0,8% (1% no mês anterior e -0,3% em maio de 2017) e uma variação média dos últimos doze meses de 1,2% (valor idêntico ao registado em abril).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços subiram 1% em maio, confirma INE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião