FIFA vai fazer revolução nas transferências, diz Infantino

  • Lusa
  • 13 Junho 2018

"Temos de proteger os jogadores e os clubes que forma jogadores e temos de fazê-lo em todo o mundo", diz o presidente da FIFA.

A FIFA vai fazer uma “verdadeira revolução” no sistema de transferência de futebolistas, anunciou o presidente Gianni Infantino, na abertura do 68.º Congresso do organismo, em Moscovo.

“Estamos a trabalhar numa verdadeira revolução no sistema de transferência de jogadores, para acabar com a imagem feia do que ocorre nas transferências. Temos de proteger os jogadores e os clubes que forma jogadores e temos de fazê-lo em todo o mundo, porque se não o fizermos vai acabar-se a formação de talentos”, disse o suíço.

Na véspera do início do Mundial 2018, na Rússia, Infantino definiu a FIFA como “uma organização moderna” e destacou a “coragem” do organismo de usar no torneio o vídeo árbitro, um método “benéfico para o futebol”.

"Estamos a trabalhar numa verdadeira revolução no sistema de transferência de jogadores, para acabar com a imagem feia do que ocorre nas transferências. Temos de proteger os jogadores e os clubes que forma jogadores e temos de fazê-lo em todo o mundo, porque se não o fizermos vai acabar-se a formação de talentos.”

Gianni Infantino

Presidente da FIFA

“Em pouco segundos, todas as pessoas em casa e nos estádios sabem se foi cometido um erro grave. Nessa situação o único que não sabia que tinha cometido um erro era o árbitro. Chegou o momento de mudar essa situação”, afirmou.

À frente da FIFA desde 26 de fevereiro de 2016, para substituir Joseph Blatter, Infantino considerou ter conseguido melhorar a condição económica do organismo, apesar da polémica de corrupção que afetou o organismo antes da sua chegada.

O líder da FIFA considerou que transformou uma “organização clinicamente morta” numa “viva e bem de saúde”, olhando para o futuro “cheio de alegria e paixão”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FIFA vai fazer revolução nas transferências, diz Infantino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião