ISTO cresceu. E agora, também é para elas

Marca portuguesa decidiu apostar numa linha feminina depois de, em 2017, ter lançado a camisa e a tshirt para homem.

Uma de algodão, outra de linho. ISTO agora é para mulheres. A marca portuguesa ISTO acaba de anunciar através da página de Facebook a criação de uma linha para mulher. A ISTO, lançada em 2017, tem como ambição vender peças de algodão orgânico de Portugal para todo o mundo, a partir de um site .pt.

Depois do lançamento de peças como a t-shirt, a camisa de linho e a de flanela para homem, a empresa aposta agora numa linha para mulher, numa altura em que celebra um ano de vida. Na base, a mesma da primeira: pensar no têxtil como startup e, ao mesmo tempo, usar materiais orgânicos para fazer “a camisa perfeita e a t-shirt perfeita”, explicaram na altura da primeira entrevista ao ECO.

Uma das características que tem, desde o início, sido uma das marcas distintivas da ISTO é a transparência: o preço dos produtos é dado a conhecer passo a passo, desde o valor da matéria-prima ao da produção, passando pelo transporte e pela embalagem.

Lançada em 2017, os produtos da ISTO são totalmente produzidos em Portugal e, segundo as expectativas, irão garantir uma faturação de 100 mil euros em 2018. Além do mercado nacional, que representa 65% da faturação, a marca vende para mercados internacionais: Dinamarca, Reino Unido, Suécia, Finlândia e Bélgica são os mais importantes.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

ISTO cresceu. E agora, também é para elas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião