Maioria negativa à vista para baixar preço dos combustíveis

O ISP vai ao Parlamento. São várias as propostas para que o adicional que o Governo introduziu quando o petróleo estava em mínimos desapareça. O PS está contra, mas pode haver uma maioria negativa.

A escalada do petróleo fez disparar os preços dos combustíveis. É uma realidade em todo o mundo, mas ganha maior relevância nos países europeus onde a fiscalidade é mais expressiva. Em Portugal, o ISP pesa, especialmente depois do forte agravamento temporário que passou a permanente. Mas está à vista o fim deste adicional. Prepara-se uma maioria negativa no Parlamento para acabar com este custo extra que pesa no bolso das famílias, bem como das empresas portuguesas. A proposta do CDS pode passar, diz Mota Soares.

“Parece que há consenso para aprovar” a iniciativa legislativa que o CDS leva esta quinta-feira ao Parlamento que visa eliminar o adicional ao Imposto Sobre os produtos Petrolíferos (ISP) aplicado à gasolina e ao gasóleo criado em 2016 pelo atual Governo, diz Pedro Mota Soares, em declarações ao ECO. “Podemos, em breve, ter preços mais baixos”, rematou o deputado centrista que ainda recentemente lançou um simulador para calcular o peso das taxas e dos impostos no preço de venda dos combustíveis.

O CDS anunciou no início do mês a discussão desta iniciativa para dia 21 de junho, mas rapidamente outros partidos avançaram com propostas semelhantes, também elas a serem discutidas nesta sessão. Com pequenas variações, o PSD também pretende acabar com este extra ao ISP introduzido em fevereiro de 2016. PCP e Bloco de Esquerda, os partidos que apoiam a solução governativa de António Costa, defendem exatamente o mesmo.

"Parece que há consenso para aprovar [a iniciativa legislativa que o CDS leva esta quinta-feira ao Parlamento que visa eliminar o adicional ao ISP aplicado à gasolina e ao gasóleo criado em 2016 pelo atual Governo].”

Pedro Mota Soares

Deputado do CDS

Apesar de ainda não ter fechado o sentido de voto no plenário desta quinta-feira, à Lusa, fonte do grupo parlamentar manifestou abertura dos comunistas relativamente aos projetos dos outros grupos parlamentares para aliviar a carga fiscal sobre os combustíveis. Já fonte da direção da bancada dos socialistas revelou à agência noticiosa que o PS deverá votar contra todas os projetos de lei e projetos de resolução após o agendamento potestativo do CDS.

Onde está a neutralidade fiscal?

O adicional ao ISP foi instituído em fevereiro de 2016, altura em que os preços do petróleo nos mercados internacionais afundaram, arrastando consigo os valores de venda dos combustíveis nos postos de abastecimento nacionais. Com a queda, a receita arrecada pelo Estado com impostos caiu a pique. Para tentar aliviar o impacto nas contas públicas, garantindo a receita em sede de IVA, o Governo avançou com um aumento de seis cêntimos por litro no ISP da gasolina e do gasóleo. Somado ao IVA, que recai sobre o ISP mais o valor do combustível em si, os preços de venda subiram ainda mais.

Este agravamento da fiscalidade veio, no entanto, com uma promessa: havendo um aumento dos preços do petróleo e, consequentemente, dos valores dos combustíveis, o Estado iria rever trimestralmente o valor do adicional ao ISP. A ideia era a de garantir neutralidade na fiscalidade, mas após um par de revisões, o Executivo desistiu de continuar a fazê-las. “Só em 2016 a receita ficou 300 milhões de euros acima da neutralidade” prometida, atira Pedro Mota Soares, uma crítica que veio a ser repetida pelo PSD.

Esta situação agravou-se no ano passado, mantendo-se este ano. “Em 2017 e este ano, 2018, a receita acima da neutralidade fiscal é muito maior”, cifrando-se em mais de mil milhões de euros, nota o deputado do CDS. “O Estado está a arrecadar muito mais receita em IVA” com os preços elevados dos combustíveis, acrescenta, lembrando que os valores obtidos com este imposto estão bem acima daquilo que foram os cálculos do Executivo no Orçamento do Estado.

Combustíveis no top da Europa. Acabou a austeridade?

Os portugueses pagam dos combustíveis mais caros entre os países europeus. “Até dezembro de 2015, Portugal apresentava um preço de venda abaixo da média da União Europeia. Desde então, está acima“, diz Mota Soares, apontando o dedo ao excesso de impostos que recaem sobre os combustíveis nos postos de abastecimento. É que em cada litro de gasóleo, sensivelmente metade do valor pago vai para o Estado. No caso da gasolina, os impostos representam 60%. Em ambos os casos, os valores de venda são substancialmente superiores aos praticados em Espanha.

Esta realidade está a pesar cada vez mais nos bolsos das famílias, mas também das empresas, nomeadamente as de transportes de mercadorias — apesar de terem o gasóleo profissional, têm alertado para os valores elevados do gasóleo. Os preços dos combustíveis estão em máximos, muito à custa da fiscalidade. Um facto que leva tanto CDS como PSD a acusarem o Governo de António Costa de mentir quando afirmou que a austeridade dos tempos da troika acabou.

“Quando tomou posse, o Governo disse que a austeridade tinha acabado porque o tempo da troika tinha sido muito mau”. Mas os portugueses “estão a pagar muito mais [pelos combustíveis] do que no tempo da troika”, afirma Rui Rui, líder do PSD, num vídeo publicado nas redes sociais. E o CDS salienta exatamente o mesmo. “Percebemos que o discurso de que a austeridade acabou não é verdadeiro”, diz Mota Soares, rematando que o que temos é uma passagem de impostos diretos para impostos indiretos”. E por isso é que a carga fiscal está em recorde.

"Não podemos assumir compromissos que mais tarde sabemos que não podemos cumprir. Os portugueses estão a assistir a isso. Não estamos no país das maravilhas.”

Rui Rio

Presidente do PSD

“Governo, ou seja, PS, PCP e BE, prometeram o que não podem cumprir porque há constrangimentos fiscais. Não é por estar este Governo que há uma varinha de condão. Não é por isso que aquilo que era difícil passa a ser fácil”, diz Rui Rio. “Não podemos assumir compromissos que mais tarde sabemos que não podemos cumprir. Os portugueses estão a assistir a isso”, nota no vídeo produzido pelo PSD, para rematar: “Não estamos no país das maravilhas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria negativa à vista para baixar preço dos combustíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião