BdP: Divulgar grandes devedores à banca vai contra sigilo

  • ECO
  • 25 Junho 2018

Num parecer pedido pela Comissão de Finanças, o Banco de Portugal assinalou que a intenção dos partidos de divulgar os maiores devedores dos bancos esbarra em várias leis e regulamentos do setor.

O Parlamento aprovou na generalidade, em maio, propostas do Governo, do Bloco de Esquerda, do PCP e do CDS-PP para que sejam divulgados os grandes devedores de bancos que receberam ajudas do Estado, mas o projeto pode enfrentar um obstáculo de peso: num parecer enviado à Comissão de Orçamento e Finanças, onde as propostas estão a ser avaliadas, o Banco de Portugal considerou que esta divulgação quebra vários regulamentos e leis do setor bancário, em parte por violar o princípio do sigilo.

De acordo com o parecer publicado na página da Comissão (documento em PDF), a instituição liderada por Carlos Costa considera que, desde logo, a divulgação da informação dos maiores devedores das instituições bancárias que tenham recebido ajudas públicas viola o dever do sigilo, regulado pelo Banco Central Europeu. Também o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados pode ser um entrave à proposta, já que os dados pessoais dos devedores, que os partidos pretenderiam tornar públicos, estarão protegidos sob essa regulamentação.

O Banco de Portugal assinala ainda no parecer, tal como avançou o Expresso esta segunda-feira, que a própria Constituição da República pode bloquear esta divulgação. Os princípios da igualdade e proporcionalidade, nomeadamente, podem impedir a divulgação da informação sobre os empréstimos. O incumprimento do devedor não significa que o crédito não devesse ter sido concedido, afirma. Destaca ainda que Portugal seria o único país a ter uma disposição deste género, o que “desencadearia uma situação de indesejável incerteza jurídica, com efeitos potencialmente nocivos junto do sistema financeiro nacional”.

O banco central realça ainda no seu parecer que podem existir consequências imprevistas para esta divulgação. “A divulgação da informação em causa poderia gerar (…) desconfiança quanto às empresas em causa e incontornáveis danos reputacionais o que, por sua vez, poderia colocar em causa, efetivamente, o acesso ao crédito e a sua viabilidade financeira e económica, com reflexo na sua capacidade de cumprir com as obrigações perante a instituição de crédito“, lê-se no documento, que coloca assim em causa que a publicação destes dados tivesse um resultado positivo na responsabilização dos devedores.

O parecer do banco central foi pedido pela Comissão de Orçamento e Finanças e será tido em conta pelos deputados agora que analisam as diferentes propostas aprovadas na generalidade no contexto de comissão. O Banco de Portugal coloca a hipótese de este tipo de divulgação poder ser feito, mas apenas em contexto de comissão, e com garantia de que seja guardado o sigilo sobre a informação distribuída à porta fechada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP: Divulgar grandes devedores à banca vai contra sigilo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião