Reguladores chineses desapertam o cinto à banca para enfrentarem guerra comercial

  • Lusa
  • 25 Junho 2018

A quantidade de dinheiro que os bancos têm que manter como reservas no banco central será reduzida em 0,5% dos seus depósitos, segundo o comunicado do Banco do Povo Chinês.

Os reguladores chineses libertaram mais 100.000 milhões de dólares (86.000 milhões de euros) para crédito bancário, numa decisão que analistas afirmam que poderá tranquilizar investidores, numa altura em que se prevê uma guerra comercial com Washington.

A redução no domingo do rácio das reservas dos bancos faz parte de uma série de cortes que os economistas previram antes do início das disputas com o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Mas os analistas consideram que o anúncio poderá servir para aliviar receios de que um aumento das taxas alfandegárias sobre parte das exportações para os EUA afetará o crescimento da economia chinesa.

O banco central afirmou que o corte, o terceiro este ano, depois das reduções em janeiro e abril, visa ajudar as empresas estatais a restruturarem as suas dívidas.

“Contra as tensões, a última redução da China no rácio das reservas, apesar de esperada, serve para contrabalançar sentimentos negativos”, afirmou num relatório Jingyi Pan, da empresa de serviços financeiros IG.

A quantidade de dinheiro que os bancos têm que manter como reservas no banco central será reduzida em 0,5% dos seus depósitos, segundo o comunicado do Banco do Povo Chinês (banco central).

O mesmo comunicado detalha que 200.000 milhões de yuan (mais de 25.000 milhões de euros) destina-se a crédito para pequenos negócios, e o resto para reestruturação de dívida.

Washington anunciou taxas alfandegárias adicionais de 25% sobre uma lista de produtos que, no ano passado, valeram 34 mil milhões de dólares (29.000 milhões de euros) nas exportações chinesas para os EUA, em retaliação contra as alegadas exigências de transferência de tecnologia feitas por Pequim a empresas estrangeiras, em troca de acesso ao mercado chinês.

Pequim prometeu já retaliar, com uma subida das taxas alfandegárias sobre produtos agrícolas norte-americanos.

Trump ameaçou com taxas adicionais que podem cobrir, no total, 450 mil milhões de dólares (386 mil milhões de euros) em produtos chineses, ou 90% das exportações chinesas para o país.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reguladores chineses desapertam o cinto à banca para enfrentarem guerra comercial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião