BdP: Guerra comercial de Trump pode anular crescimento da economia portuguesa

Se a guerra comercial desencadeada por Trump atingir uma escala global, a economia portuguesa pode sofrer um impacto negativo acumulado de 2,5% sobre o PIB nacional, prevê o Banco de Portugal.

Donald Trump está a disparar medidas protecionistas em todas as direções. Primeiro, anunciou a imposição de novas tarifas aduaneiras à União Europeia, Canadá e México. Depois, fez da China alvo. Todos os lesados já prometeram retaliar e se o conflito se alargar à escala global, ao longo dos próximos três anos, Portugal pode esperar um impacto negativo acumulado de 2,5% sobre o PIB nacional. A previsão foi avançada, esta quinta-feira, pelo Banco de Portugal (BdP) e, a concretizar-se, significaria mesmo o anulamento do crescimento económico lusitano — a mesma instituição prevê que, em 2019, Portugal cresça 1,9%, um abrandamento face aos 2,3% previstos para este ano, e em 2020 1,7%.

“Os riscos de maior protecionismo a nível global têm vindo a aumentar impulsionados pelos Estados Unidos”, explica o Banco de Portugal. Por isso, a entidade decidiu estudar o impacto macroeconómico da escalada destas tensões, considerando dois cenários alternativos: no primeiro, a guerra comercial mantém-se limitada entre os EUA e todos os seus parceiros comerciais. “Os Estados Unidos aumentam as tarifas sobre as importações de todos os bens originários de terceiros — implicando um aumento dos preços de exportação destes países para os EUA de cerca de 10% — e que estas economias retaliam impondo tarifas do mesmo montante sobre as importações provenientes dos EUA”, explica o relatório. Já no segundo cenário, o conflito alarga-se à escala global e todos os países impõem direitos aduaneiros aos restantes, revertendo também os acordos comerciais estabelecidos.

No caso de uma guerra comercial limitada, o BdP prevê que o PIB mundial recue 0,7% até 2020 e o comércio mundial se reduza quase 3%. Neste mesmo cenário, também o PIB da Zona Euro recuaria, em termos acumulados, cerca de 0,4% até 2020 e o dos Estados Unidos perderia cerca de 1,8%. Ao longo dos três anos considerados, o impacto registado na economia portuguesa seria de 0,7% do PIB nacional, sendo o efeito nos preços de 0,4%.

Já no que diz respeito ao segundo cenário considerado — o mais dramático, mas também o menos provável — o PIB mundial reduziria 2,5% e as trocas comerciais a nível mundial recuaria 9,6%, no final do horizonte de três anos. Neste caso, o PIB da Zona Euro chegaria mesmo a perder cerca de 2% e a redução nos Estados Unidos ascenderia a quase 4%, ao fim dos três anos. Por cá, uma guerra comercial generalizada representaria, um impacto negativo acumulado sobre o PIB de cerca de 1,7% em 2019 e que atingiria os 2,5% em 2020. Caso este cenário de confirmasse, quase anularia o crescimento de 1,9% previsto para 2019 e de 1,7% para 2020.

“O aumento de barreiras comerciais pode ter um impacto bastante negativo sobre a economia portuguesa, dado que o crescimento recente tem assentado, em larga medida, no dinamismo das exportações“, salienta a instituição. Tal é especialmente relevante tendo em conta o ganho significativo português de quotas de mercado das exportações de bens e serviços registado no último ano e divulgado, esta quinta-feira, no mesmo relatório. Nesse quadro, é importante ainda destacar que os Estados Unidos (tanto nos bens com um ganho de 19,9%, como no turismo com 5,4%) estão entre os destinos das exportações onde Portugal ganhou mais quota de mercado em 2017.

Além destes efeitos diretos referidos, o Banco de Portugal identifica ainda um conjunto de “canais adicionais” através dos quais as medidas protecionistas podem afetar as economias envolvidas. São eles o aumento da incerteza, a disrupção e ajustamento das cadeias de produção globais (que tenderão a magnificar o impacto) e a menor concorrência internacional e consequente redução das possibilidades de especialização.

No que diz respeito à retaliação, é importante referir que é já esta sexta-feira que a União Europeia passará a aplicar novas tarifas aduaneiras sobre as importações dos Estados Unidos. Depois de Donald Trump ter decidido impor taxas sobre o aço e o alumínio provenientes do Velho Continente, o bloco europeu vão responder com tarifas sobre cerca de uma centena de produtos norte-americanos “emblemáticos”, do sumo de laranja à manteiga de amendoim, passando pelas calças de ganga e bourbon.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP: Guerra comercial de Trump pode anular crescimento da economia portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião