Franceses da Engie preparam oferta sobre a EDP Renováveis, avança a Bloomberg

A Engie está a preparar uma oferta para comprar uma parte ou a totalidade da EDP Renováveis, avança a Bloomberg.

A Engie está a preparar uma oferta para comprar uma parte ou a totalidade da EDP Renováveis EDPR 3,29% , avança a Bloomberg. Mas são vários os cenários que a elétrica francesa se encontra ainda a estudar juntamente com os seus advisors.

Os franceses estão muito interessados na compra do portefólio norte-americano da elétrica portuguesa, mas ponderam apresentar uma proposta para adquirir toda a unidade de energias renováveis da EDP, segundo adiantaram várias fontes à Bloomberg. As discussões estão numa fase inicial e a Engie poderá até não fazer qualquer oferta formal pela cotada portuguesa.

Em abril passado, o jornal francês BMF informou que a Engie poderia avançar para a aquisição da EDP, tendo revelado que Isabelle Kocher, líder do grupo francês, e António Mexia já tinham mantido contactos nesse sentido. Nenhuma decisão havia sido tomada na altura, isto porque Kocher estava de saída. Já foi substituída entretanto por Jean Pierre Clamadieu na liderança do grupo francês a 18 de maio e o processo terá conhecido novos desenvolvimentos.

A Bloomberg diz que a EDP Renováveis tem atraído muitos interessados por parte das utilities europeias, que procuram expandir-se no setor das energias limpas. E diz ainda que os potenciais compradores estão à espera que a China Three Gorges tenha de vender alguns ativos da EDP para obter luz verde dos reguladores de forma a assegurar que a sua oferta pública de aquisição (OPA) sobre a elétrica portuguesa seja bem-sucedida.

Nem a EDP nem a Engie prestaram qualquer esclarecimento adicional sobre esta notícia.

As ações da EDP Renováveis ganham já 20% desde o início do ano, tendo fechado a sessão desta segunda-feira nos 8,37 euros. A China Three Gorges oferece 7,33 euros por título da EDP Renováveis, detida em 83% pela EDP. Simultaneamente, os chineses dão uma contrapartida de 3,26 euros para comprar a EDP. Mas as duas OPAs foram rejeitadas pelas respetivas administrações, porque o preço é demasiado baixo.

Para que a OPA sobre a EDP seja bem-sucedida, a operação tem de obter a autorização de vários reguladores em todo o mundo, incluindo do Comité de Investimento Estrangeiro dos EUA. A China Three Gorges já disse que não descartava qualquer “medida de mitigação” para satisfazer as exigências regulatórias.

(Notícia atualizada às 17h58)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Franceses da Engie preparam oferta sobre a EDP Renováveis, avança a Bloomberg

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião