Mundial Rússia: nas cidades-sede, os preços rondam os 300 dólares por noite

  • ECO
  • 25 Junho 2018

Airbnb e Booking são as principais plataformas usadas durante o Mundial 2018. Juntas concentram 98% do alojamento na Rússia. Durante este mês, a oferta disparou e os preços também.

De todas as partes do mundo, há quem viaje até à Rússia para assistir ao vivo aos jogos da sua seleção. Para a indústria de aluguer de alojamento, esta é uma época de ouro: a oferta aumenta exponencialmente e… os preços também. Segundo a Transparent, uma empresa espanhola que analisou o impacto do Mundial 2018, os preços nas cidades que são sede do campeonato passaram dos 150 dólares por noite para cerca de 300 dólares por noite.

Os valores mais elevados registam-se durante a fase de grupos, aquela que engloba maior número de seleções. A partir daí espera-se que os preços voltem ao seu estado normal ou, pelo menos, a aproximar-se dele. De acordo com a empresa, o mercado de aluguer de alojamento vai embolsar à volta de 240 milhões de dólares com o Mundial 2018.

Em relação à oferta de apartamentos de férias no Brasil durante o último Mundial, este ano, na Rússia, a oferta quadruplicou. “Os eventos temporais não apoiam a construção de hotéis, mas são perfeitos para o alojamento de férias”, indica o estudo realizado pela Transparent.

Há quatro anos, no Brasil, 50.000 pessoas usaram o Airbnb para assistir de perto ao Mundial. Este ano, na Rússia, serão 200.000 pessoas, contabilizando o Airbnb, o Booking, a HomeAway e o Tripadvisor. Só no último ano e, durante a preparação para o Mundial, as plataformas de aluguer mais do que duplicaram a sua oferta na Rússia. O Airbnb passou de 30.677 anúncios para 64.862; o Booking, que tinha 37.597, aumentou a oferta para 99.635 anúncios, excluindo os hostels, tendo apenas em conta apartamentos e quartos. Juntos, Airbnb e Booking detêm 98% do alojamento na Rússia.

A empresa espanhola analisou o caso da Rússia ao pormenor, estudou o crescimento de cada plataforma em diferentes cidades e o efeito que o Mundial tem nos preços do alojamento. Em Saransk, por exemplo, no centro do país, o Airbnb cresceu 2015%, em apenas um ano. O Booking, no mesmo período, cresceu 2149%. Peru-Dinamarca e Colômbia-Japão foram as duas partidas que já se jogaram em Saransk. Esta segunda-feira, a cidade acolhe o jogo Portugal-Irão e, na próxima quinta-feira, 28 de junho, o Panamá-Tunísia, a última partida jogada em Saransk.

Em Kazan, onde no passado domingo, 24 de junho, a Polónia jogou contra a Colômbia, o Airbnb passou de 216 anúncios para um total de 4.663. Um proprietário de um apartamento em Níjni Novgorod, durante este mês, consegue arrecadar por volta de 3.000 dólares, um valor muito superior ao que ganharia em qualquer outro mês, sem Mundial.

Comentários ({{ total }})

Mundial Rússia: nas cidades-sede, os preços rondam os 300 dólares por noite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião