Ações dos CTT recuam 3%, o pior registo num mês. Jefferies baixa target

As ações da empresa liderada por Francisco de Lacerda lideram as quedas do PSI-20. Deslize acontece depois de o título ter sido alvo de uma descida de preço-alvo.

Os CTT destacam-se pela negativa numa sessão sombria na praça bolsista nacional. As ações da empresa liderada por Francisco de Lacerda encabeçam as perdas do PSI-20, com um recuo em torno de 3%, naquele que é o pior registo para o título em mais de um mês.

As ações dos CTT perdem 3,39%, para os 2,904 euros, depois de já terem estado a recuar 3,86% até um mínimo de 2,89 euros. O título apresenta assim a maior queda desde o deslize de 3,45% protagonizado no fecho da sessão de 29 de maio.

A queda registada nesta sessão coloca o título em mínimos de mais de duas semanas e acontece depois de os CTT terem sido alvo de uma revisão em baixa de avaliação.

Ações dos CTT em queda

A Jefferies desceu o preço-alvo que atribui às ações da empresa liderada por Francisco de Lacerda, dos 3,35 euros para os 3 euros, segundo a Reuters. Trata-se de um corte de mais de 10% do target atribuído pelo banco de investimento, mas que fica praticamente em linha com a cotação das ações da empresa de correio postal. O título terminou a última sessão a cotar nos 3,006 euros. A Jefferies atribui ao título uma recomendação de “manter”.

Esta queda acontece apesar de, na passada quinta-feira, ter sido conhecido que os CTT estão a apostar na conquista de mercado nas encomendas ao anunciar a pretensão de começar a distribuir as encomendas da Amazon. “Já temos a distribuição da Amazon em Espanha mas não em Portugal, o que acontecerá um dia destes”, afirmou Lacerda num encontro com jornalistas, que teve lugar na manhã de quinta-feira, no Porto.

Os CTT estarão também a preparar o lançamento de um novo serviço online direcionado para o mercado de arrendamento, segundo apurou o ECO. Em vista estará a criação de um portal na internet onde os senhorios possam fazer a gestão dos seus imóveis, em mais um esforço da administração de Francisco Lacerda para diversificar o negócio da empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações dos CTT recuam 3%, o pior registo num mês. Jefferies baixa target

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião