Portugal é um dos países mais inovadores da Europa. Quem o diz é a Comissão Europeia

  • ECO
  • 2 Julho 2018

O relatório da Comissão Europeia avalia, através de diferentes variáveis, o nível de inovação dos países. Portugal está no 14.º lugar e o pódio pertence à Suécia, Dinamarca e Finlândia.

A Comissão Europeia elabora anualmente um relatório sobre a inovação nos diferentes países membros da União Europeia, no qual faz uma análise comparativa entre os países. O objetivo é que cada Estado-membro conheça as áreas nas quais tem de se focar e, além disso, saber qual a situação global da UE em relação à inovação. E Portugal está entre os mais inovadores.

Segundo o relatório deste ano, divulgado no passado mês de junho, Portugal ocupa 14.ª posição numa lista que inclui todos os países membros da União, exatamente a mesma posição que ocupava no relatório de 2017. De acordo com as classificações, o ambiente inovador é o aspeto mais valorizado de Portugal, com 133,2 pontos, e apesar da 14.ª posição do ranking, só cinco países superaram a pontuação do país lusitano nesta variável (Dinamarca, Suécia, Finlândia, Holanda e Luxemburgo). Por outro lado, com a menor pontuação, ficaram as exportações e vendas de empresas inovadoras, o aspeto no qual Portugal tem de trabalhar.

No geral, a Comissão Europeia considera que há uma boa tendência ao nível da inovação, ainda que, para competir a nível global, os países da UE precisem de mais. Apesar de a Europa estar cada vez mais próxima do Canadá, Japão e Estados Unidos, a China está cada vez mais longe, já que a sua inovação cresce até três vezes mais rápido que a da União Europeia.

“A classificação volta a mostrar quão rica é a Europa no que diz respeito ao talento e ao espírito empreendedor, mas temos que fazê-lo melhor para converter a excelência no êxito. Os países membros têm que trabalhar juntos para fomentar a eficiência da nossa economia, melhorar o funcionamento do mercado interno e ajudar a reforçar a posição da Europa na vanguarda da inovação internacional”, afirmou Elzbieta Biénkowska, comissária do mercado inteiro, indústria, empreendimento e PME, para resumir os resultado deste ano.

Para atribuir as classificações, a Comissão tem em conta vários aspetos, como a existência de um ambiente propício à inovação, o capital humano do país ou o gasto público em inovação. Conheça os países mais inovadores, ordenados do menos inovador para o mais inovador, de acordo com as pontuações atribuídas pela Comissão Europeia.

Quais são os 15 países mais inovadores da União Europeia?

15º: Malta (79,9 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 55,8 pontos
– Sistema de investigação atraente: 141,7 pontos
– Ambiente inovador: 123,6 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 6,9 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 71,4 pontos
– Pessoas inovadoras: 79 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 11,8 pontos
Ativos intelectuais: 166,8 pontos
– Emprego: 139,7 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 54,5 pontos

14º: Portugal (80,5 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 83,8 pontos
– Sistema de investigação atraente: 106,4 pontos
Ambiente inovador: 133,2 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 65,1 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 74,7 pontos
– Pessoas inovadoras: 116,1 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 54,3 pontos
– Ativos intelectuais: 73,4 pontos
– Emprego: 82,3 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 43,1 pontos

13º: República Checa (82,3 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 78,4 pontos
– Sistema de investigação atraente: 72,5 pontos
– Ambiente inovador: 79,2 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 47,3 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 103,9 pontos
– Pessoas inovadoras: 86,1 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 77,6 pontos
– Ativos intelectuais: 62,7 pontos
Emprego: 115,1 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 94,8 pontos

12º: Eslovénia (92,2 pontos)

Inovação em recursos humanos: 143,6 pontos
– Sistema de investigação atraente: 90,2 pontos
– Ambiente inovador: 87,7 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 33,4 pontos
– Investimentos em inovação do setor privado: 121 pontos
– Pessoas inovadoras: 95,6 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 112,3 pontos
– Ativos intelectuais: 80,2 pontos
– Emprego: 75,4 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 75 pontos

11º: França (109,2 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 124,4 pontos
– Sistema de investigação atraente: 129,2 pontos
– Ambiente inovador: 101,5 pontos
Financiamento e apoio à inovação: 141,3 pontos
– Investimentos em inovação no setor privado: 87,6 pontos
– Pessoas inovadoras: 121,4 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 101,5 pontos
– Ativos intelectuais: 86 pontos
– Emprego: 92 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 105,3 pontos

10º: Áustria (114,7 pontos)

 

– Inovação em recursos humanos: 112,8 pontos
– Sistema de investigação atraente: 138,5 pontos
– Ambiente inovador: 86,7 pontos
– Finanças e apoio à inovação: 91,8 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 134,8 pontos
– Pessoas inovadoras: 141,9 pontos
– Sinergia entre setor público e privado para inovar: 143,5 pontos
Ativos intelectuais: 146,2 pontos
– Emprego: 65,6 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 79,6 pontos

9º: Irlanda (115,9 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 140,7 pontos
– Sistema de investigação atraente: 141,5 pontos
– Ambiente inovador: 96,6 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 75,8 pontos
– Investimentos em inovação do setor privado: 93,5 pontos
Pessoas inovadoras: 170 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 89,1 pontos
– Ativos intelectuais: 46,9 pontos
– Emprego: 164,8 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 127,7 pontos

8º: Bélgica (117,5 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 106,5 pontos
Sistema de investigação atraente: 168 pontos
– Ambiente inovador: 107,3 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 99,8 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 133,8 pontos
– Pessoas inovadoras: 161,3 pontos
– Sinergia entre setor público e privado para inovar: 161,8 pontos
– Ativos intelectuais: 83,5 pontos
– Emprego: 78,5 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 75,2 pontos

7º: Alemanha (119,6 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 94,4 pontos
– Sistema de investigação atraente: 92,2 pontos
– Ambiente inovador: 100,7 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 102 pontos
Investimento na inovação do setor privado: 156,4 pontos
– Pessoas inovadoras: 152,6 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 125,2 pontos
– Ativos intelectuais: 147,6 pontos
– Emprego: 100,3 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 114,7 pontos

6º: Luxemburgo (121,1 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 126 pontos
Sistema de investigação atraente: 197,8 pontos
– Ambiente inovador: 143,5 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 124,7 pontos
– Investimentos em inovação do setor privado: 68,9 pontos
– Pessoas inovadoras: 142,2 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 62,2 pontos
– Ativos intelectuais: 153 pontos
– Emprego: 138,6 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 84,8 pontos

5º: Reino Unido (121,5 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 151,4 pontos
Sistema de investigação atraente: 173,2 pontos
– Ambiente inovador: 93,2 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 107,6 pontos
– Investimentos em inovação do setor privado: 101,9 pontos
– Pessoas inovadoras: 99,5 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 133,5 pontos
– Ativos intelectuais: 81,5 pontos
– Emprego: 144 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 123,2 pontos

4º: Holanda (128,5 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 146,1 pontos
Sistema de investigação atraente: 182,6 pontos
– Ambiente inovador: 159,4 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 130,2 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 76,4 pontos
– Pessoas inovadoras: 127,3 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 151,2 pontos
– Ativos intelectuais: 126,6 pontos
– Emprego: 115,3 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 91,7 pontos

3º: Finlândia (128,7 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 165,2 pontos
– Sistema de investigação atraente: 137,8 pontos
Ambiente inovador: 183,7 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 110,3 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 132,5 pontos
– Pessoas inovadores: 141,4 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 132,6 pontos
– Ativos intelectuais: 146,7 pontos
– Emprego: 83,5 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 77,6 pontos

2º: Dinamarca (132,4 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 184,2 pontos
– Sistema de investigação atraente: 181,7 pontos
Ambiente inovador: 197,8 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 102,6 pontos
– Investimentos em inovação do setor privado: 109,1 pontos
– Pessoas inovadores: 111,9 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 131,3 pontos
– Ativos intelectuais: 165,8 pontos
– Emprego: 100,5 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 75,1 pontos

1º: Suécia (140,8 pontos)

– Inovação em recursos humanos: 179,6 pontos
– Sistema de pesquisa atraente: 176,5 pontos
Ambiente inovador: 190,5 pontos
– Financiamento e apoio à inovação: 111,6 pontos
– Investimento na inovação do setor privado: 157,9 pontos
– Pessoas inovadoras: 126,8 pontos
– Sinergia entre os setores público e privado para inovar: 131 pontos
– Ativos intelectuais: 156,6 pontos
– Emprego: 131,4 pontos
– Exportações e vendas de empresas inovadoras: 82,1 pontos

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é um dos países mais inovadores da Europa. Quem o diz é a Comissão Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião