Bruxelas ameaça retaliar tarifas de Trump às importações de carros

Uma tarifa de 25% teria um impacto negativo inicial de 13 a 14 mil milhões de dólares no PIB norte-americano, sem qualquer melhoria no seu saldo comercial, revelam os cálculos da UE.

A União Europeia lançou um alerta aos Estados Unidos: se impuserem tarifas à importação de carros e componentes automóveis vão prejudicar a sua própria indústria automóvel, mas também arriscam-se a desencadear medidas de resposta por parte dos seus parceiros comerciais.

Num documento de dez página enviado na passada sexta-feira ao Departamento norte-americano de Comércio, a União Europeia argumentou que a imposição de tarifas sobre automóveis e componentes é injustificada e não tem um racional económico. Uma tarifa de 25% teria um impacto negativo inicial de 13 a 14 mil milhões de dólares no PIB norte-americano, sem qualquer melhoria no seu saldo comercial, revelam os cálculos europeus.

As contramedidas semelhantes às adotadas em resposta às importações de tarifas norte-americanos sobre o aço e alumínio até 294 mil milhões de dólares das exportações americanas — 19% do total das exportações dos EUA — poderão ser afetadas, acrescenta a UE no mesmo documento.

O Departamento norte-americano de Comércio lançou a sua investigação, ao abrigo da segurança nacional, a 23 de maio de acordo com as instruções do Presidente Donald Trump, que tem repetidamente criticado a UE pelo excedente comercial que tem com os Estados Unidos e por ter tarifas aduaneiras mais elevadas à importação de carros. A taxa na Europa é de 10% face aos 2,5% que pagam os carros europeus que entram no mercado americano.

Trump disse, a semana passada, que o Governo estava a concluir um estudo sobre o tema e sugeriu que os Estados Unidos agirão em conformidade brevemente, sendo que já ameaçou impor uma tarifa de 20% sobre todos os carros montados no mercado europeu.

A União Europeia contrapõe que em alguns bens, nomeadamente camiões, as tarifas à importação norte-americanas são mais elevadas. No documento entregue ao Departamento do Comércio a UE frisa que as empresas europeias fazem cerca de 2,9 milhões de carros nos Estados Unidos, gerando 120 mil postos de trabalho direto ou 420 mil se forem incluídos os stands de automóveis e os lojas de vendas de componentes.

Os europeus frisam que as importações americanas não cresceram muito e que a evolução acompanhou a expansão global do mercado automóvel americano, cujo aumento de procura não poderia ser satisfeito pela produção interna.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas ameaça retaliar tarifas de Trump às importações de carros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião